"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O AMOR que liberta...

Foto tirada em Canoa Quebrada-CE por Demóstenes Farias


"Não devem fazer de sua decisão pessoal de sofrer de modo masoquista um projeto de espiritualidade cristã..."   "O ideal evangélico de crente consagrado, fiel e santificado já foi em idos tempos, o viver sofrido "debaixo da graça"; os crentes se gabavam de estarem passando por lutas e provas; crente de vida boa era um crente duvidoso. hoje, o que demonstra que um crente é fiel e consagrado é o quanto ele é próspero... os tempos mudam".

Achei muito interessante este comentário acima em negrito, e, em vez de publicar como comentário do texto anterior a este, preferi trazer para dentro de um outro texto, por duas razões: primeiro, porque minhas colocações sempre foram em cima de ideias e jamais em relação à vida pessoal de quem quer que seja; e, segundo, porque me inquietou a alma para fazer mais uma abordagem em cima desse tema.

E essas breves palavras em negrito me atraíram porque, além de fugir completamente do assunto - já que o foco é a violência doméstica e não a prosperidade -  percebo nelas o reflexo pesado da religiosidade que muitos carregam na bagagem ao longo do caminho. Por meio de duas ou três linhas vi como é impressionante o número de pessoas inteligentes e estudiosas que escrevem sobre os mais diversos assuntos em seus blogs, PORÉM não conseguem atingir o que é de mais básico, mais simples, mais leve, para aplicar na sua vida cotidiana de forma saudável em todos os aspectos.

Prova flagrante de que se trata de um pedaço contido num todo é algo dito antes e que passou despercebido ao comentarista, se não por maldade, mas de repente, pelo embaçamento (com c cedilha) doutrinário:

"Mansidão... é a capacidade de não se deixar desviar do curso do caminho em razão das amarguras, hostilidades ou provocações de quem quer que seja". Aqui, o autor mostra que não está se posicionando contra uma vida piedosa. Nem sugerindo isso! Ele escreve exatamente sobre o que venha a ser uma verdadeira vida piedosa e o que é um engano comum no qual as pessoas têm caído, confundindo uma coisa e outra. Ele não está dizendo nada diferente do que o próprio Paulo já havia dito: "Foste chamado, sendo escravo? Não te preocupes com isso; mas, se ainda podes tornar-te livre, aproveita a oportunidade" (ICo 7:21).

A minha tristeza é que muitos que se dizem fora dos grilhões de sua formação religiosa, continuam sofrendo confusos e apegados a crendices marteladas em suas mentes como mantra. Uma espécie de lavagem cerebral ao longo de toda uma vida onde crente salvo e abençoado era aquele que passava por lutas e provas; imprimiram na mente do crente que crente de vida boa era um crente duvidoso. E a lavagem cerebral foi tão violenta, que ainda hoje, estes que se dizem libertos das amarras, ainda põem isso em dúvida. Estes, que juram não acreditar mais na literalidade bíblica e que se dizem livres, estão presos a um passado doutrinário tão perverso e de maneira tão terrível, que não percebem que continuam agindo/vivendo/respirando/transpirando/ conforme os moldes religiosos em que foram criados.

Falo isso porque pegar justamente um fragmento de um texto abrangente e dali fazer uma crítica amarga e tendenciosa é bem característico desse perfil religioso massacrante. Ironicamente, essas são as mesmas pessoas que criticam hoje o que lhes foi ensinado como obrigatório se quisessem ganhar o Céu como prêmio. Doutrina herdada do catolicismo onde rico não entra no céu e pobre que sofre calado é que é “o cara” diante de Deus.

Gente, que teoria mais simplista é essa?! Tanto rico que sofre e tanto pobre feliz por aí... Tanto pobre cheio de raiva dentro de si e tanto “próspero” livre em sua própria alma.

Sofrer de modo masoquista é redundantemente doentio e nada tem a ver com vida espiritual. Submeter-se aos maus tratos de um marido perverso usando doutrina religiosa não tem nada a ver com espiritualidade. Esse “sofrimento” não representa luta e “prova”, pelo contrário, oprime, e diminui a mulher, ou seja não promove qualquer edificação. Ao contrário, provoca sérios danos à psique e consequente comportamento desvirtuado que vai refletir em todas as ações do cotidiano.

A religião é tão perniciosa que nos coloca em determinado lugar de culto, nos conduz à igreja (local, espaço físico) como se nossa vida espiritual não estivesse atrelada à nossa vida existencial. Deus já alertava, por meio dos profetas, acerca dessa suposta garantia de vida piedosa, de bênção, de separação, que se recebe no espaço físico denominacional, esclarecendo que a garantia está na mudança interior. Ou seja, nada de novo há!!!

Eu vivi praticamente a vida inteira em meio a bajuladores, o que me rendeu alguma experiência para distinguir os tipos de pessoas que me cercam, desenvolvendo uma lucidez muito grande para me ligar em certas exterioridades e não me deixar impressionar por elas.

Por exemplo:

Tem muita gente de posses, rica e influente que tem humildade e vida solidária; tem também muita gente pobre que vive dentro da igreja, chorando suas "provas" com ares de simplicidade MAS com o coração cheio de arrogância, recalques e complexos que culminam em raiva, inveja e ressentimento. E humildade, para mim, é antes de tudo abertura para ser criticado, sem ter absolutamente nada a ver com situação sócio-econômica.

Há uma ilusão e um equívoco perigoso acerca do sentido de “simples”. A própria bíblia trata do termo em situações diferentes onde simples pode ser o tolo e ingênuo. E Deus não quer que sejamos nem uma coisa nem outra, não por ele ser um neurótico regulador, mas porque em sua imensa sabedoria Ele nos alerta para os perigos que corre aquele que é “simples”.

Veja o que o autor de Provérbios (1.22) diz sobre esse estado psicológico:

“Até quando, ó simples, (néscios) amareis a simplicidade (necedade)? E vós escarnecedores, desejareis o escárnio? E vós insensatos, (loucos) odiareis (aborrecereis) o conhecimento?”

O Livro da Sabedoria nos diz que o avisado vê o mal e se esconde enquanto que o simples passa e sofre a pena. E sofre sem nem saber o porquê. Afinal, ele não consegue raciocinar, já que sua credulidade obstrui a sensatez. Parafraseando um pregador que eu conheço, o simples paga o pato por ser crédulo.

Muitos alegam que Jesus coloca a simplicidade da pomba como referência para o verdadeiro crente, mas aí já tem outra conotação pois na antiga cultura do Oriente Próximo, "essa ave personificava a inocência e a pureza". E veja só a sabedoria de Jesus em desejar vida saudável para nós, colocando o equilíbrio perfeito nessa dobradinha: a pureza da pomba e a prudência da serpente! (Ele não disse "a lerdeza da pomba e a malícia da cobra")

A partir do Evangelho, não existe nenhuma garantia de justificação por esforço pessoal. Principalmente quando esse esforço pessoal é ligado à neurose de sofrer humilhação por parte de outro como garantia de vida eterna. Ora, Deus não quer esse tipo de vida para seu povo. Ele diz que seu povo sofre MAS por falta de entendimento. Isso de “servir a Deus” por meio de normas esquizofrênicas e dentro de um aquário limitado é a maior cilada e o maior estímulo à hipocrisia, ao cinismo e à passividade mórbida. Jesus já alertava sobre isso! Aliás, as únicas vezes em que ele se irritava era quando tratavam de religiosidades e suas regras como bênção e salvação e suprimiam o direito de uma vida digna.

Como diz o final do fragmento acima, os tempos mudam...

Mas o Deus do AMOR que liberta, que quebra todas as regras religiosas, é IMUTÁVEL.

Portanto... Faça suas escolhas! Sem medo de ser feliz!





11 comentários:

Míryam Lobo disse...

Paz querida!

Que bela reflexão hein...

Que Deus cada dia mais nos encha de discernimento e da pura e essencial vontade do Seu coração, a verdadeira vontade, na essência do Senhor. E, não imposições que vemos por aí, tirando ou tentando tirar de nós a paz de viver feliz com o que Deus põe em nosso coração.

BASTA DE SEGMENTOS HIPÓCRITAS DE PESSOAS QUE USAM A RELIGIÃO, PARA IMPOR AS SUAS PRÓPRIAS VONTADES!!!

Deus nos abençoe e a estas pessoas também, sempre!!!

Paz no seu coração de amor!

René disse...

Rê,

Fiquei impressionado com o seu conhecimento de Deus, da Sua Palavra. Não é conhecimento da letra. É conhecimento do Espírito!

Certa vez, quando Jesus disse que seria difícil um rico entrar no Reino dos Céus, os discípulos perguntaram: "Sendo assim, quem poderá ser salvo?". Esta pergunta não foi, apenas, em cima do conceito de que as pessoas eram ricas, como prova de seu relacionamento com Deus. E nem em cima do conceito de que os ricos eram os capacitados a boas obras. Essa pergunta, na verdade, denunciava o desejo íntimo dos pobres em serem ricos, para conforto próprio e para parecerem importantes na sociedade. É uma declaração de que a humildade não está relacionada à condição social.

Seu texto é preciso, Rê, ao indicar a interioridade como a questão de avaliação por Deus, sobre quem é quem!

E, também, você demonstra, com muita propriedade, uma das causas das reações mais descabidas diante de Deus: o efeito da religiosidade imposta ao longo do tempo, que se manifesta como uma luta sem sentido contra Deus (que chama pra fora da religião), sob a armadura dessa religiosidade impingida.

Para se chegar ao nível de compreensão que você chegou, minha amada amiga, só pelo Espírito de Cristo!

Forte abraço e muita Paz!

CARLOS HERRERA disse...

Lindo texto Rê...perdão pela intimidade..rss

concordo com nosso maninho Renê...
Rê, digo Regina rss , gosto muito da forma que vc escreve...é claro e objetivo...sem rodeios..parabéns..quem sabe um dia eu aprendo rss

hoje, pela manhã tava pensando sobre isso...libertar do que ?

Quando encontramos a Cristo, saimos alardeando aos 4 ventos que estamos libertos. Mas libertos do que?

Na igreja, dizem : Cristo quebrou as algemas que te escravizam..no entanto dizem aos santos: vc esta com encosto..libertos do que?

Creio que o dia que entendermos o real significado do "Amor de Deus revelado em Cristo" , estaremos sim! libertos da escravidão do pecado, do legalismo idiotado e das potestades pastorais..
Enfim, saberemo porque fui liberto e para que estou livre.
abraços

disse...

O que me chamou atenção no seu texto, foi o extremismo, de um Evangelho que muitos achavam que pra ser cristãos tinham que sofrer, ou seja, ser pobres, uma visão masoquista posta encima da cristandade, pois aqueles que estavam bem com Deus eram os pobres, e hoje só esta bem com Deus quem é próspero, vejo que o Evangelho saiu de um extremo ao outro e muitos não se dão conta disso. Paz querida!

Rosa de Saron disse...

Oi minha querida... estou presenteando seu blog com os selinhos de 'QUALIDADE' e 'FAZ A DIFERENÇA'. Dá uma olhadinha lá no meu blog. Bjim!

Regina Farias disse...

Miryan,

Quem me conhece na intimidade sabe que uma das coisas que mais me incomoda é ver gente boa de Deus sendo algemada pela religião.

Paz pra ti também. E pra todos os homens e mulheres de boa vontade!

R.

Regina Farias disse...

René

Se você concluiu isso, fala a mesma língua que eu, que nada tem a ver com glossolalia(nada contra) e sim com um português claro que tem a ver com vida smples no Evangelho. Só isso.

Deus tenha misericórdia de todos nós!

R.

Regina Farias disse...

Carlos,

Pode me chamar de Rê, numa boa. Se for com naturalidade e sinceridade será sempre bem vindo. :)

E vc disse tudo quando falou acerca do amor de Deus revelado em Cristo.

Abs

Rê rss

Regina Farias disse...

Rô,

Exatamente! Eu acho que é justamente no extremismo que está a questão.

bjus
Rê.

Regina Farias disse...

Rosa,

Brigadinha, já fui lá conferir e "tomar posse" rss

Valeu pelo carinho,

Rê.

João Carlos disse...

Sua benção bispa!

Vamos falar de simplismos. Achar que antes para ser considerado crente tinha que ser o falido e agora tem que ser o bem sucedido chega a doer.

Parece piada de quem escreveu isso, coisa de quem zomba por zombar, visando apenas tirar o pior das reações das pessoas.

Francamente, fez bem em publicar este texto, por sinal, excelente!

Mais uma vez sua benção bispa!

JC