"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A fé em Jesus não é uma religião




Jesus não fundou o Cristianismo.

O Imperador Constantino o fez.

Jesus não fundou uma Religião.

A Terceira Geração o fez.

Jesus nos chama para o Caminho, a Verdade e a Vida.

O Caminho é Ele e também passa por gente.

A Verdade é Ele, e passa pela gente, e encontra gente também fora de nós.

E a Vida é Ele, e em em-si ela é apenas nEle. Mas para todas as outras criaturas implica em relacionamento.

Portanto, quem é discípulo de Jesus é esse ser do Caminho, da Verdade e da Vida.

Não é um caminho religioso; é apenas um caminho de reconciliado com Deus, conosco mesmos, com o próximo e com a criação!

O Cristianismo é uma Religião. Assim como o Islamismo. E anda em grandes desvantagens.

Possivelmente o Cristianismo tenha se tornado a Religião menos atraente que o Ocidente e o mundo já produziram nos últimos 1700 anos — especialmente pelos “subprodutos” que ele gerou.

Honestamente, o Cristianismo é feio; eu, pelo menos, acho!

Sou discípulo de Jesus, amo a Sua Palavra, reconheço a irmandade profunda na comunhão com aqueles que discerniram o mistério de Deus em Cristo, e tenho prazer em anunciar esse Amor, bem como vivê-lo, especialmente com aqueles que também amam o mesmo Amor que a eles se revelou em Cristo.

No livro de Atos, no início, esse andar comunitário e esses que a ele pertenciam eram chamados de "os do Caminho".

Paulo diz que perseguiu "os do Caminho" e que também "perseguiu a Igreja de Deus" - portanto, os termos são equivalentes.

E, no Caminho, cada um faz o seu próprio caminho pessoal; e também o faz de modo comunal e coletivo.

O discípulo é o indivíduo.

A Igreja é a comunhão dos discípulos.

Caio Fábio

6 comentários:

Cláudio Nunes Horácio disse...

Lindo! É isso mesmo, sejamos tão somente discípulos de Jesus. Graça e sabedoria.

Adriana disse...

A sistematização grega fez algo que os primeiros discipluos não tinham instrumentos para fazer: categorizar e alinhavar conceitos teologicos.

Quero ter meu olhar, meu ouvir, meu conceber e meu discernir no Caminho que é Ele, as demais coisas são perfumaria.

abraço carinhoso pra vc bispa.

René disse...

Rê,

Lindo! É isso mesmo, sejamos tão somente discípulos de Jesus (deu pra perceber que concordo totalmente com o Cláudio, não?).

Continue na Paz!

disse...

Jesus não veio fundar Religião, Ele veio reafirmar a torá, aperfeiçoando através do amor e perdão, além de ampliar a salvação a toda a humanidade.
Jesus não fundou o cristianismo. Ele era judeu e pregava para os judeus. Quem criou o cristianismo foi Paulo (Saulo) de Tarso, Ou seja a seita do Nazareno lembra? Paulo foi cristocêntrico.
A dois tipos de Cristianismo monoteísta, o que teve origem em Jesus Cristo(c. 6 a.C.-30 d.C.), onde seus discípulos acreditavam que ele era o messias o descendente prometido, filho de Deus, que viria para salvar nossos pecados, ensinava sobre Deus dizendo ser seu enviado e filho. Sua doutrina, através da qual afirmava, por exemplo que os judeus não eram superiores aos demais povos, já que haviam se afastado das leis divinas hebraicas , juntamente com a alegação de que falava com a autoridade de Deus, puseram-no em conflito com a tradição judaica.Pois dizia ser o fim da Lei Israelita. Ele acabou preso e morto sacrificado em Jerusalém. Seus seguidores foram então, perseguidos, sendo mortos por romanos e pagãos, que os consideravam hereges pelos dois séculos seguintes.
O outro Cristianismo com origem na trindade foi fundado mais tarde por Constantino um imperador romano em 313, deu origem as religiões existentes como o Catolicismo Romano, Igreja Oriental ou Ortodoxa, que depois gerou o Protestantismo,Constantino legalizou e apoiou fortemente a cristandade por volta do tempo em que se tornou imperador, com o Edito de Milão, Onde para mim ele só paganizou o verdadeiro fazendo do cristianismo a religião estatal única. Paz mana!

Wendel Bernardes disse...

Concordo com o Caio nesse aspecto.

Quando começou-se a chamar os 'seguidores' de 'cristãos' foi por puro 'preconceito'.

O mesmo preconceito que denominava os 'evangélicos' de 'crentes', 'bíblias' e coisas do gênero.

Mas devo confessar que nunca fui muito adepto das nomenclaturas. Isso não 'me fere', não me incomoda.

Se sou crente, cristão, católico, evangélico, seguidor, ou discípulo... a meu ver é algo 'secundário', quiçá ainda de menor importância.

As palavras só dizem o que os homens querem ouvir... Se sou mesmo um bom discípulo, ou se estou mais pra outras nomenclaturas, só minha vida e caráter dirá, e isso, só quem caminha comigo sabe, pois vê e vive esse Caminho comigo!

Entendo como o Caio no seguinte aspecto:
O discípulo é o indivíduo e a Igreja é a comunhão dos discípulos!

Beijão Rê!

CARLOS HERRERA disse...

Olá Regina,

A religião a uma tentativa fracassada de se religar a Deus...pois o homem esta totalmente impossibilitado de faze-lo por causa do seu estado de pecabilidade!

Portanto, a verdadeiro "religare" Provem da unilateralidade divina, no ato de amor de Deus que deliberadamente enviou a Jesus para todo aquele que nele crê não pereça mas tenha vida eterna..

Eu estou religado a Deus por meio da reconciliação proporcionada pelo Senhor Jesus!

Que nos deu a possibilidade de sermos filhos de Deus...e nos fez simplesmente discipulos da graça por meio da mensagem subversiva do Evangelho...

Parabéns pela postagem do sempre coerente Caio Fabio!
Abraços