"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

segunda-feira, 7 de maio de 2012

O povo lhes deu tal autoridade.




A falsa autoridade, por meio da qual certos 'líderes' se apoderam das MENTES das pessoas, é concedida justamente por essas mesmas pessoas. Se não existisse essa categoria de 'fiel', esse tipo de líder também jamais existiria. De maneira muito esperta, o falso guru das multidões sabe que o povo é sedento por um milagre em suas vidas, então logo trata de unir o útil ao agradável tanto para ele como para o povo. Ele bem sabe que é 'útil e agradável' ao povo aquele ópio religioso; e, útil e agradabilíssimo o saldo que essa neurose coletiva proporciona à sua conta bancária.

Não é por acaso que Jesus alerta claramente sobre o que dirá a esses ladrões (de bens e de almas) que se rotulam de profetas milagreiros e expelidores de demônio.


É verdade que o povo está sedento de algo que só quem preenche é Deus - como diria o autor de Eclesiastes. E, como disse uma vez um amigo pastor, se uma pessoa qualquer de barba e vestes longas, parecida com os profetas do AT, começar a andar pelo calçadão na praia, vai chover gente seguindo-o. Mas veja, seguir é muito fácil, pois na verdade todo mundo quer é se dar bem, resolver suas broncas pessoais. Já entregar a vida para Deus resolver do jeito Dele, neguinho salta longe. Um dia desses eu recebi uma mensagem de uma 'mala' que queria um favor meu e, então, para tentar me manipular, ela colocou ao final, a seguinte frase de efeito: 'Deus tem seus planos'. Ora, Deus tem seus planos. Fato! Nós é que precisamos nos alinhar a estes planos que são Dele!

Assim, discordo que a grande massa queira, de fato, Deus como Seu Senhor. Jesus, já conhecendo o que vai realmente no coração do homem, sempre tinha um barquinho à Sua disposição, quando a multidão começava a comprimi-Lo. Ele, mais do que qualquer um de nós, sabia qual era o intento real das pessoas em sua grande maioria. Há inúmeras situações nas narrativas dos evangelhos que denuncia essa faceta oportunista do ser humano, mas eu vou citar apenas dois casos: a dos dez leprosos que depois de curados, nove deles se mandaram sem ao menos esboçarem um educado 'muito obrigado'. Porém, se prestarmos atenção, veremos que eles foram curados apenas FISICAMENTE, pois era apenas isso que eles procuravam. Cura física, como muitos que lotam as igrejas com ares de piedosos, mas só querem se beneficiar, na mesma proporção daquele que também vai em busca de outras 'curas', principalmente a tal cura material.

E o outro exemplo é o da 'mulher do fluxo de sangue' que O tocou em meio àquela multidão. Ora, quantas pessoas não já haviam tocado Nele de maneira a se dar bem?! Mas aquela tocou de forma 'diferente'. Aquela única mulher no meio daquele povão que o seguia - assim como apenas um dos leprosos - reconhece o Seu Senhorio.

E o que diz Jesus, dirigindo-se a cada um, especificamente? - A tua fé te salvou, vai em paz. Jesus não estava impressionado com multidão, com quantidade de pessoas que O seguiam, pois esta é essa salvação que a Ele interessa. A salvação pessoal em meio ao coletivo, realizada a partir da fé pessoal que se depositou totalmente Naquele que anseia por um relacionamento pessoal com cada um de nós. É dessa TOTAL dependência que a Ele interessa. E essa é a Cura que Ele faz, a qual Ele completa nos enchendo o ser de Sua PAZ.

Não se engane: a grande multidão - SEJA EM QUE DENOMINAÇÃO FOR - só quer negociar com Deus em alguma coisa que ela acha que está faltando em sua vida. Quando se fala em gente que está ali apenas para adorar a Deus, LAMENTAVELMENTE esse número cai drasticamente.


A vida plena (em abundância) que Jesus oferece, mesmo nas circunstâncias difíceis, a paz que excede todo entendimento com a genuína alegria tatuada no coração, ainda que este sangre vez em quando, é um paradoxo que não interessa à maioria dos crentes que LOTAM as igrejas. E não apenas as igrejas dos Valdomiros ou Macedos da vida...

(Considerações sobre questionamento acerca da autoridade de certos líderes)



Texto correlato:

6 comentários:

Anônimo disse...

Regina:

Quando Cristo estava na Terra, se reunia também uma grande multidão para ouví-Lo. Claro , que haviam aqueles com outros interesses , que não eram sobre a busca do reino dos céus. Mas Deus conhece tudo. Mas no meio de uma grande multidão , há um povo que realmente está interessado na salvação da alma. Maria

Anônimo disse...

Regina:

Muitos são chamados e poucos escolhidos... Maria

René Burkhardt disse...

Rê,

Quando li seu texto, logo fui "remetido" ao texto de João:

"Quando, pois, viu a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, tomaram os barcos e partiram para Cafarnaum à sua procura. E, tendo-o encontrado no outro lado do mar, lhe perguntaram: Mestre, quando chegaste aqui?

Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: VÓS ME PROCURAIS, não porque vistes sinais, mas PORQUE COMESTES DOS PÃES E VOS FARTASTES" (Jo 6.26).

Puro interesse de benefício pessoal! E lembrando que essas mesmas multidões, mais tarde, se omitiram de clamar pela vida de Jesus diante de Pilatos ou, ainda pior, preferiram Barrabás...

Bom... Isso foi naquela época. Para a nossa época (próxima ao "final dos tempos"), é dito: "Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres SEGUNDO AS SUAS PRÓPRIAS COBIÇAS, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas" (2Tm 4.3-4).

Achei o seu texto perfeito, por estar totalmente alinhado à Palavra!

Forte abraço e continue na Paz!

Regina Farias disse...

René,

Que bom que você voltou ao mundo blogueiro (espero rss)

Tô esperando um texto novo lá no teu blog embora teus textos sejam sempre novos nas minhas releituras...

Obrigada pelos exemplos que testificam o que afirmo, conforme a Palavra.

E muito me alivia constatar que tem gente que entende a 'minha língua', que não é minha já que sou apenas instrumento de Deus.

Deus te abençoe

Rê.

Regina Farias disse...

Cara ‘Maria’:

Perdão, mas, com base no Evangelho, vou ter que discordar do seu primeiro comentário (um tanto tendencioso).

No meio de uma grande multidão, não há um povo. O povo já é a multidão. No meio de uma grande multidão há PESSOAS. Isoladamente. E, isoladamente, elas tomam posição determinante para suas vidas (Arrependem-se) em relação à proposta do evangelho(O Perdão) de Jesus (e não da denominação.

Vemos vários exemplos de PESSOAS que se destacam no meio do povo, nos tempos de Jesus. No próprio texto eu destaquei duas delas.
Veja ainda o caso de Zaqueu e da mulher no poço de Jacó. Nas QUATRO situações houve um ENCONTRO PESSOAL.

Jesus se apresenta de maneira PESSOAL. Ele não pega um povo dentro de um determinado espaço religioso e determina que todo aquele povo está SALVO.

É disso que falo.

Quanto ao segundo comentário, precisamos estar atentos para não colocarmos palavras na boca de Jesus conforme nossas próprias interpretações.

Esse mau hábito da frase solta é, no mínimo, leviano...

Regina Farias disse...

A diferença da mulher do poço para os outros três exemplos citados, é que ela não estava em meio à multidão; embora a ênfase seja para o encontro PESSOAL com Cristo.