"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

sábado, 4 de junho de 2011

A piada é boa e o caso é sério





A piadinha (engraçada, por sinal, rsrs) demonstra de forma humorística o quanto essa nossa geração se tornou patética. 

É claro que houve no passado exageros, mas hoje não é diferente. E pior, hoje em dia todo mundo tá ficando de louça. Vivemos um processo de frescalhização da sociedade. Tá todo mundo ficando fresco e possesso pelo espírito chamado de "meu direito".

Esse tal de "meu direito" tá matando as possibilidades das relações humanas. Hoje tudo tem que ser resolvido nas barras dos tribunais ou em uma delegacia, algemado.

O governo, por sua vez, quer até fazer o papel de pai e mãe. Quer assumir questões relacionadas a família, tirando a autoridade legítima dos pais. Se um filho quer fazer cocô na cabeça dos pais, tudo bem! Mas se um garoto levar uma palmadinha  por causa de excessos por ele praticados - ai meu Deus! -, o negócio pode pegar para o lado dos pais. 

Tem homossexuais que se forem postos para fora do trabalho por incompetência se sentem no direito de chegar em uma delegacia, no sindicato ou no ministério do trabalho para acusar o patrão de preconceito, quando o cara foi posto para fora por incompetência. Isso tem ocorrido por ai.

Há uma ditadura ideológica, politica e dogmática por trás do tal movimento gay.

Certo dia um homossexual gritou na porta do meu carro, com o rosto voltado para os que estavam dentro do carrinho que tínhamos, dizendo assim: "o mundo é gay!".

Não sou homem violento, mas deu-me vontade de puxar o cara pelo colarinho e dar-lhe uma porrada no meio da cara, pois minhas crianças estavam no banco de trás. Contive-me e falei o seguinte para o individuo: "O mundo pode ser gay para vc, para mim não. Vc deveria respeitar ao menos minhas crianças que estão ouvindo a sua bobagem". O cara ficou murchinho.

A Presidente Dilma suspendeu a cartilha da campanha contra a homofobia nas escolas, que trazia imagens inadequadas para crianças em idade que não carregam uma definição psicológica de sua sexualidade. Tive notícia de uma professora que para seguir o politicamente correto chegou a perguntar a uma criança se ela era homossexual e o menino perguntou: "o que é isso, tia?".

Homossexualidade é uma condição, cujas razões são diversas (cada caso é um caso), mas está distante de ser uma condição universal como o é a condição étnica. Como disse o Rev. Caio Fábio, em sua análise sobre a PL 122:

"Direitos Universais são caracterizados pela inafastabilidade objetiva da condição existente. Assim, etnias e raças carregam a si mesmas em seus direitos universais. Ora, o mesmo não se pode dizer da homossexualidade, a qual existe em estado de profunda subjetividade, além de que está há anos luz de distancia de qualquer coisa que se possa chamar de condição universal. Desse modo, creio que a presente PL 122 faz universal um particular da existência humana. Ora, em tal caso, creio que uma outra PL deve ser proposta, mas que não carregue em si “direitos” que soneguem outros direitos universais já estabelecidos e por todos aceitos como fruto do bom senso".
Se a homossexualidade é uma condição que precisa ser analisada caso à caso e o homossexual um ser humano e cidadão que precisa ser respeitado, o homossexualismo é um sistema ideológico de um grupo que não só busca lutar por direitos por meio de oposição, mas fazendo também imposição sobre uma sociedade majoritariamente hétero. Há, sem dúvida, um processo de homossexualização da sociedade. Políticos, comércio e a mídia tem sido grandes parceiras do movimento. É um aspecto que não pode ser desconsiderado nesta história toda.

Não sou contra o homossexual, mas não gosto do movimento gay. Repito: é ideológico, político e dogmático. Do mesmo modo e pelas mesmas razões não gosto do feminismo corrente em nossos dias. Mulheres são importantes e admiro o fato delas terem chegado onde chegaram. Mas não gosto da desvalorização que muitas têm feito do homem. Falo como homem e macho que não gosta do machismo. Contudo, penso que quando Deus criou homem e mulher, os fez com características peculiares, cada um, que são características de caráter funcional.

O discurso da igualdade entre os sexos é uma das falácias na nossa presente história, pois só existirá igualdade, de verdade, quando houver aceitação das diferenças.

Sinto que a sociedade está em pane e que as famílias vivem uma convulsão relacional como nunca antes. 

Precisamos acalmar mais os nosso ânimos. Precisamos recuperar o respeito ao próximo. Talvez, se os homens não tivessem sido tão tiranos no passado, não houvesse hoje, como reação e resposta, todos estes movimentos de luta, de natureza nitidamente raivosa e tirana. Este é o tempo das tiranias (da mulher, do homossexual, das crianças...) travestidas pelos chamados Direitos Humanos.

Enquanto o espírito for o do "meu direito" o mundo continuará caminhando para uma grande cova coletiva. Será o decreto da morte das possibilidades naturais e espontâneas de relações humanas saudáveis. Ninguém se esforça pela paz. Todo mundo só quer garantir o que chamamos de "MEU DIREITO". Sendo assim, tenham certeza, o mundo estará (se já não está) lascadinho da Silva. 


Os "Silvas" que me perdoem... Sem preconceito!

Samuel F. Andrade do Blog Reflexão & Vida

_______________________________________________________________________

EM TEMPO, POIS AINDA HÁ TEMPO!

Sou negro e sei o que é pobreza. Fui alvo de preconceitos e bulling quando criança, mas nunca  precisei me afirmar diante da sociedade a partir de um movimento contra isso ou aquilo. Sei quem sou e isto basta. Uma das muitas provas disso, foi a resposta que meu filho (que é pardo, se é que posso classificar meu filho assim), colocou na prova de ética para responder a seguinte pergunta (na semana da consciência negra): "Você acha que o negro goza de respeito hoje?" Resposta do meu filho: "Sim, pois o meu pai é negro e é muito respeitado". Nos tornamos referencias quando apenas somos o que somos, mas se não somos, deixamos de ser referências para abraçarmos as nossas preferências. É ai que nasce o preconceito, o partidarismos e o que chamamos idolatricamente de "meu direito". Assim sendo, já tolerei homossexuais que me faltaram com respeito. Nunca os denunciei, pois sei que o espírito raivoso do mundo não será vencido pela lei dos homens, mas pela lei do amor. A lei estabelece comportamentos politicamente corretos, mas só o amor gera bom senso e relações verdadeiramente humanas. Pense nisso, em tempo!

Grifos meus - RF


10 comentários:

René disse...

Raciocínio e conclusão excelentes!!!

Elídia :) disse...

Muito bom, muito coerente, obrigada por postar algo tão na contramão de td q a gente vê, mesmo q n concordemos, n podemos enfiar goela abaixo dos outros. Bjs, Rê.

LEANDRO CHH disse...

Oi, Regina.
Estava passando por aqui e encontrei seu excelente blog. Diga-se de passagem algo raro de encontrar na rede atualmente. Estarei seguindo e acompanhando seu trabalho. Se desejar fica aqui meu convite para conhecer meu trabalho no Construindo História Hoje. http://www.construindohistoriahoje.blogspot.com
Abraços,

Regina Farias disse...

René e Elídia,

Já fazia um tempão que eu queria postar algo 'do tipo' mas não tinha nenhum ânimo pra escrever justamente porque já estava muito repetitivo e além disso, nada do que eu lia me fazia concordar por inteiro, de modo que eu 'copiasse' aqui.

Tenho lido muita coisa por aí nesse sentido, mas sem o menor 'tesão' pra comentar (só de ler certos comentários e velhos comentaristas com velhas crises de estrelismo... aff :)

Gosto muito da abordagem do Caio Fábio, (Aliás, com seu estilo, de maneira geral, eu concordo inteiramente!)mas como boa parte de blogueiros 'evangélicos' têm uma coisa meio neurótica com as 'falas' dele, preferi esquecer... Faz um tempinho que to numa fase de calmaria onde polemizar tá lá beeeeeem longe.

Então, me aparece essa que é 'minha cara' e não perdi a oportunidade, pois gosto de me posicionar diante do que discutem por aí afora, vocês sabem :)

Elídia, é sempre um enorme prazer ter alguém como você comentando aqui, aliás, respeitei seu silêncio mas confesso que já estava sentindo tua falta :)

R., vc é de casa, necessário, não ouse deixar de aparecer por aqui rss

Beijos mil,

R.

Regina Farias disse...

Leandro,

Seja muito bem vindo e muito obrigada por suas palavras. Sei que não é 'elogio' pois você disse bem, é um trabalho e não mero entretenimento. É assim que vivo e vejo desde o início, assim como sei que preciso me esforçar cada vez mais para que haja boa qualidade e não me deixar jamais enveredar pelo caminho do oba oba e dos confetezinhos trocados entre blogueiros e que só servem para inchar o ego e afastar do foco verdadeiro. Ah e sem jamais perder a ternura rss Afinal, ser leve e brincalhona faz parte :)

Aceito sim, teu convite, e já estarei lá conferindo.

Um abraço!

R.

Wendel Bernardes disse...

Já havia lido os textos do caio sobre esse tema, curti muito também este do Samuel!

Acho muito legal, pensar!
Infelizmente vivemos num mundo onde engolir essas palhaçadas é mais 'fácil' que cuspi-las e peitar a sociedade hipócrita!

Hoje mesmo pegeui um elevador com três corretores que trabalham numa mesma empresa que eu, e estavam falando mal pra caete dum outro rapaz, notadamente homossexual, a quem sorriam felizmente quando estavam perto dele!

Assim é a vida... sorri-se pra uns, apenas pelo medo do processo, do escândalo... mas a mudança do pensamento não ocorrerá sem que o individuo conheça Aquele que propõe a mudança do caráter!

Ótima repostagem Bispa!
Saudades, viu?
Xêro!

Cláudio Nunes Horácio disse...

Rê, que maravilha ler gente esclarecida, com raciocínios lógicos, coerentes, sensatos. Ultimamente está osso encontrar gente centrada. Gostei muito do post. Beijos.

António Jesus Batalha disse...

Olá regina obrigado. Queria seguila. mas a regina não ativou a manipulação de seguidores, depois diga alguma coisa.

Regina Farias disse...

W. e Cláudio.

Que bom poder pensar, raciocinar, refletir, comentar, debater e ninguém nos algemar por isso! E que bom sair da mesmice dessa blogosfera, né? Mesmo quando é o mesmo tema rss

Beijos,

Rê.

Regina Farias disse...

Antônio,

Seja muito bem vindo!

Na verdade o que fiz foi DESativar a ferramenta 'seguidores'.

Sabe...

É que ando meio nauseada com certos estrelismos ingênuos de quem acha que um grande número de seguidores é sinônimo de aceitação, de tolerância, de amizade... E (mais grave!!!!) de compartilhar em Cristo.

Até escrevi um texto sobre isso e ainda não postei, porque ainda estou lapidando rss

Mas não repare, não. Não sou radical (só em alguns momentos assim rss)

Deus te abençõe,

R.