"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Well... do Recife para a Itália



Wellington de Santana Moura, recifense de 35 anos

Ele nunca soube ao certo porque teve vontade de ajudar na construção da nova Igreja da cidade de Abreu e Lima, onde passou a viver há 22 anos. Foi carregando as placas de mármore de um dos maiores santuários evangélicos da Região Metropolitana do Recife que Wellington Moura se aproximou da música. O coro da Assembléia de Deus deu a ele as primeiras noções de nota e possibilitou um palco para a gravidade de sua voz. De participante comum virou solista; e, pela postura técnica, aos 16 anos, chegou a substituto do maestro oficial do Templo.

"Nunca vou me esquecer. Foi num domingo, quando o maestro faltou ao culto, e acabei tendo que botar o coral para frente. A partir desse dia, consegui logo o posto de vice-maestro e, um ano depois, assumi definitivamente a batuta. Era engraçado porque tinha que reger e ainda continuava como solista", lembra o hoje cantor lírico Wellington Moura.

Com a ativa participação na rotina da religião, fez-se um alfaiate autodidata. “Tinha que me virar na costura das minhas roupas no coral e na banda marcial”, afirma o primogênito de seu Gilvan Pereira. Foi a costura que bancou as despesas do dia a dia, pois os estudos, totalmente em escolas públicas e em cursos profissionalizantes, nunca garantiram emprego certo na época. "Com a costura. foi possível pagar os custos com as minhas as aulas de piano, teclado e canto no Conservatório de Música de Pernambuco".

A obstinação de Well, como prefere ser chamado (já que não conseguiu nascer "Mateus, um nome mais normal e fácil de soletrar"), teve que enfrentar a barreira do orçamento curto, muito curto. "Hoje o que mais gosto de fazer pela manhã é comer cereal e iogurte, mas antes minha família mal tinha dinheiro para comer bem; passamos tempos difíceis. Carne para nós sempre foi luxo; não foram poucos os dias em que nos alimentávamos apenas de cuscuz, sem nada mais", relembra.

Mas a paixão pela música finalmente começou a render dividendos. "Houve um momento muito especial: abril de 2000, quando recebi meu primeiro cachê (R$ 80) em um casamento que contou com o maestro Cussy de Almeida". Mesmo com o primeiro dinheiro ganho com o talento vocal, o respeito à música veio mesmo pela severidade do primeiro mestre. "Um dia, o professor Henrique Lins chegou para mim e disse: Você vai ter aula comigo. Ele era diferente dos demais; sempre escolhia seus alunos no Conservatório. Depois me introduziu em um curso com um especialista do Rio de Janeiro que veio ao Recife. Percebi que minha vida era o canto; deixei logo o piano e o teclado de lado".

O conselho não poderia ser outro senão seguir com o aperfeiçoamento na música. "Sempre prezei muito pela estudo. Acabei, com muito apoio, conseguindo entrar e terminar o curso de bacharelado na UFPE, em 2006, mesmo com as limitações dessa graduação".

ITÁLIA - Não mais evangélico e agora já formado, a vida de Well encontrou mais outra barreira. "Minha vida era a ópera, mas, no Recife, acontece praticamente uma a cada dois anos; em São Paulo, onde tentei espaço, mas não consegui, é uma por semestre. Precisava seguir com o canto, mas como?".

Com pouco espaço para trabalho, Wellington voltou sua vida para eventos e produção de shows (especialmente os "Garçons cantores do Bar Manhattan"). "Era isso que me financiava, mas precisava crescer mais na música. Foi assim que planejei ir para Itália, para mapear as Escolas de Ópera. Lá é um verdadeiro berço do gênero", afirma.

“Depois de tentativas em outras escolas, com apoios que obtive de algumas pessoas daqui do Brasil e pelo meu esforço pessoal, fiquei sabendo que o Conservatório de Música em Firenze (Florença) estaria abrindo processo de admissão". Mesmo ressabiado com preconceitos, competição com os bem avaliados candidatos japoneses e temendo os vários procedimentos burocráticos, Wellington solicitou uma audição.

Wellington durante seleção na Itália


E eis que Well conseguiu ser um dos dois selecionados pela Escola. "Ao todo, foram 52 concorrentes e 15 acabaram sendo pré-selecionados. Eram apenas duas vagas para estrangeiros, dos três que conseguiram chegar até o fim da seletiva". O seu voo, rumo ao tão sonhado curso de especialização em canto, aconteceu esse domingo (21).

Mas lá a vida não há de ser fácil. Aos 35 anos, terá que se virar como babá, arrumador de camas e preparador de quentinhas congeladas para arcar com o custo de 622 euros anuais do curso e outros gastos de custeio. Mas ele espera começar a ganhar dinheiro com seu talento mais essencial já partir do segundo ano de curso, que tem duração de três anos.

Wellington Moura ficará pela Itália até 2013 e promete voltar sempre quando puder. "Vou já pensando no retorno. Me identifico com Recife, gosto do bairro antigo, do nosso sotaque cantando o Hino do Elefante e o maracatu, mas preciso ir. Depois de concluído o curso, serei mais reconhecido no País. Talvez terei mais espaço junto a esse povo que gosta tanto de ópera, mas que ainda desconhece e pouco valoriza os filhos da terra", afirma o amante de Mozart.



Pesquei aqui -->Notícias Cristãs

(Grifos meus-RF)

6 comentários:

disse...

Linda História dele. Que Deus continue abençoando sua vida. Paz!

João Carlos disse...

Que da hora!

Gosto de gente que rala muito e consegue alcançar seus objetivos.

Bu-ni-tuuuu!

Eduardo Medeiros disse...

Regina, as igrejas evangélicas estão cheias de talentos musicais. é pena que no Brasil não haja tanta tradição em ópera que é um estilo puramente europeu mas me parece que o well sabe o que quer e vai buscar o seu sucesso.
torço por ele.

abraços

Anselmo Melo disse...

Nossos jovens estão carentes de referenciais como esse.Nossa juventude perece em um mundo onde a futilidade tomou conta de tudo e todos.
Que Deus tenha misericórdia dessa geração.
Paz!

Anselmo Melo disse...

Rê.
Da uma olhada no post sobre a "Gaga". Talvez vc possa de alguma forma ajudar a irmã.

Eliel Ferreira disse...

Belíssima história, mas infelizmente não conheci o Well.

Abraços.

@ElielFerreira
http://dmsdoreino.blogspot.com/