"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

“I see dead people...all the time”




Algo que li no blog do J.C. - em comentário do próprio autor -  me levou a essa postagem do Cristão Confuso:

O Sexto Sentido e a ajuda bilateral

Sabe o que é spoiler? É aquela informação que revela trechos daquele filme – livro – história antes que você o veja, do tipo “O mocinho morre no final!”.

A reflexão abaixo revela o fim do filme que dá título à reflexão.

Assim, o segredo do estranho garoto é revelado ao atencioso médico, que durante toda a história procura auxiliá-lo, enquanto vive os conflitos de um casamento arrasado pela aparente indiferença da bela e triste esposa.

Ele busca solucionar o problema de seu paciente, mas está cético diante do que ele descrevia: era um cientista, não acreditava na fantasiosa vida pós morte nem nas visões de gente morta trazendo recados do além.

No fim, o garoto sorri, “curado” pela terapia do médico, e olha para ele sabendo que a missão está cumprida, embora o homem não entenda do que o menino está falando. Não se veriam mais.

É quando descobre que ele mesmo era um dos que morreram, e o tempo todo o auxilio que dava era devolvido para si mesmo, preparando-o para uma verdade terrível. Fora assassinado por um ex-paciente, alguém que sofria da mesma “doença” do garoto a quem ajudara, e pode então perceber quanta dor foi evitada, já que sabia o que o menino poderia ter se tornado.

Percebe que sua esposa sofre por amá-lo. Não há indiferença, há saudade. Ele compreende o tão contundente silêncio, compreende que não era desprezo, eram lágrimas de um luto.

Quem dera nossos”escolhidos”, os que abraçam o evangelho e são reconhecidos por isso, pudessem perceber que estamos sempre aprendendo um com os outros. Chama-se essa convivência de ajuda mútua de igreja.

A pessoa que aceita ser apenas arrimo, conselheiro, ajudador, começará a médio prazo imaginar que não pode ser ajudado, que está acima da possibilidade de ser consolado: “isso é para as ovelhas simples” pensa em seu íntimo, enquanto morre de solidão, aos poucos, aos pedaços, escondendo suas feridas cada vez mais doloridas, e com muita sorte, não se tornará um cínico ou hipócrita.

Quem dera crer que os homens de Deus, antes de ser de Deus, são homens. Quem dera parassem eles de pensar que a “propaganda é a alma do negócio”, que o onipotente ser espiritual que vai na figura atrás do púlpito, triunfante, brilhante orador e imbatível é tão falho quanto qualquer homem.

Quantos sinceros crentes se abalam e desistem quando descobrem que seus exemplos não passam de uma farsa impossível de existir.

Perceber que o garoto a quem o finado médico tanto auxilia traz nele a mensagem que o curará e que revelará nele sua verdadeira fraqueza oculta e ser curado ao reconhecer.

Creio que a onisciência divina é capaz disso, que o mais simples é capaz de abençoar o mais rico abençoador, pois nele repousa o mesmo Espírito.

Zé Luiz

(Grifos meus-RF)

16 comentários:

João Carlos disse...

Bispa,

Você já deve imaginar o que vou dizer, mas vamos lá:

"É ASSIM QUE EU CREIO!"

Não tinha dado a devida importância à esta observação super oportuna do Zé Luiz e resgatada por você.

Muitos blogueiros interpretam papéis de "quartas-pessoas da Trindade" (adoro esta ilustração!), colocando-se em papéis de semi-deuses, detentores de toda sapiência e revelamento divino (minúsculo e errado mesmo).

Suas opiniões são ex-catedra, definitivas e deveriam ser canonizadas. Quem dera para eles que aquele livro preto anacrônico ainda estivesse sendo escrito. Para eles, certamente seus pontos de vista sobre deus, igreja, evangelho, relacionamentos, etecétera (tudo minúsculo mesmo) deveriam servir de regra de fé e prática.

Fora da virtualidade e certa privacidade que este nosso instrumento nos fornece porém, DUVI-DE-O-DÓ que sustentam de pé o que digitam sentados, escondidos atrás deste portãozinho fechado, podendo latir à vontade para os que passam pela rua.

Eu, como disse antes, sou um rascunho mal acabado daquilo que Deus planeja para mim.

Preciso de vocês, DELE muito mais, sempre!

Pronto, falei (risos).

JC

(adivinha se não vou escrever mais sobre isso?!?!?!?!?)

Regina Farias disse...

Pastor,

O engraçado é que eu também já havia lido este texto incrível mais de uma vez e a ficha só caiu hoje! Vai ver é devido à riqueza de nuances...

Da segunda vez eu só havia conseguido captar o que me dizia respeito, particularmente, tanto é que meu comentário lá no blog do Zé foi nesse sentido.

Mas aí quando a gente sai do próprio "eu" enxerga coisas incríveis!

E falando em sair do próprio "eu"... Como assim, livro preto anacrônico? Qual?! O livro mais completo e mais atual de todos os tempos?!

Se for assim, já vi que estou por fora, mas me deixe por fora plizzzzz

O autor de Eclesiastes, livro que faz parte desse conjunto de livros ultrapassados (o meu é lilás beeeem clarinho) fala do valor do companheirismo(4:8.12) alertando sobre a competição que isola e atinando para a recompensa pela colaboração. Isso mostra que Deus supre nossa necessidade de companheirismo e comunhão com os outros. Isso é ser igreja.

Ah, e valeu por lembrar, pois eu acabei de colocar o marcador "É assim que eu creio".

Abs

João Carlos disse...

Eu tenho uma preta ARA, uma colorida (tipo paisagem) NVI, uma azul toda esbagaçada ARC e uma core de laranja em inglês, que é a que estou lendo pela segunda vez.

Com isso, exercito meus músculos espirituais e linguísticos, além de pagar de gatinho :P

Esta parada do LPA (livro preto anacrônico) eu achei lindo. Mostra o quanto ele incomoda pra cacete quem quer fugir da verdade.

Por falar de fugir da verdade, já ouviu falar que Nietzsche morreu quase louco, gritando de punhos cerrados contra o céu, falando um monte de merda pra Deus?

É verdade isso?

(sei lá, lembrei disso...)

René disse...

Rê,

Isto é uma pérola incrustada de diamantes por todos os lados (seria possível, isto?)!!!

Aí, chego nos comentários e vejo que ainda não acabou, pois o João Carlos ainda acrescenta mais preciosidades!

Mas não acabou, porque você recorre ao Eclesiastes pra demonstrar um dos princípios de vida mais importantes: a comunhão!

Que essa comunhão seja mesmo sempre horizontal, nunca com uma das partes olhando de cima para baixo!

Fui edificado em mais um "tantão", ao ler esta postagem. E, cá pra nós, 'tava precisando disso!

Abração e continue na Paz!

Regina Farias disse...

René,

Eu também estou sendo muita edificada com tudo isso.

Amém!!!

Você não sabe como é grande minha alegria em ler suas palavras.

Obrigada pela sua visita tão preciosa.

Deus te abençoe!

Regina Farias disse...

Pastor,

Grandes ateus e revoltados cristãos têm na sua vida pregressa a causa dessa decisão que angustia a alma um baita trauma que o fundamentalismo imprime nas suas mentes infantis e adolescentes.

Não é necessário ser um especialista em mente humana para perceber em alguns blogs e comentários o quanto se denuncia isso. Pessoas inteligentes que não suportaram tamanha pressão e explodiram. E ficaram meio sem rumo.

E Nietzsche foi um deles, coitado, endoidou o cabeção assim. Inclusive dizendo em uma de suas obras que Deus estava morto e que ainda hoje é assunto visto de forma distorcida. Ora, aquele deus estava morto mesmo! Aliás, aquele deus que lhe apresentaram nunca nem existiu! Filho, neto, bisneto( E tataraneto? Vai saber...) de pastores legalistas, fundamentalistas, anormais rss quis desmascarar tudo isso, daí simplesmente deu um tilti e ele ficou lelé sendo inteligentíssimo e extremamente sensível, transformando-se em alguém amargo, angustiado... e maluco.

bj

Adriana disse...

Outro dia eu estava pensando sobre a comutação de fios, e pensei na gente.
Comunhão é assunto sério.

A paz que excede todo entendimento é esta que é muito mais poderosa que qualquer elucubração mental que queira explicar ou negar o inexplicável e o inegável.
Freud foi outro que morreu em agônia, diante do câncer na garganta, ele refez alguns posionmentos sobre a espiritualidade.
Eu tive um professor de teologia que dizia que os quatro cavaleiros do apocalipse (uma livre associação claro), a saber, Marx, Freud, Sartre e um outro tiozinho que não me lembro, tiveram nos seus últimos dias um encontro com sua nêmesis existêncial.
Sorte deles? Eu entendo que sim.

beijocas

amo vocês

disse...

Quem dera crer que os homens de Deus, antes de ser de Deus,
são homens. Quem dera parassem eles de pensar que a “propaganda
é a alma do negócio”, que o onipotente ser espiritual que vai na figura

atrás do púlpito, triunfante,
brilhante orador e imbatível é tão falho quanto qualquer homem.

Linda esta parte, ela diz tudo, diz que todos somos falhos e que a ajuda pode ser mútua, pois não da pra vender uma imagem de super crente de vitorioso, pois ela não existe na realidade,e que ser igreja é um edificando o outro mutuamente.
Muito lindo o texto do Zé.

Paz!

Wendel Bernardes disse...

Olá Regina, desculpe não opinar sobre sua postagem de hoje.
estou passando por aqui para conclamar você e seus leitores para o Clamor pelo Rio...

A violência tem imperado nesse Estado e creio que a Igreja precisa se manifestar e orar para que Jesus traga a Paz que transcende todo o entendimento e Sua presença à Cidade Maravilhosa...

Fique na paz e muito grato pelo espaço,
em Cristo...
Wendel Bernardes
-----------------------------------
www.wendelbernardes.blogspot.com

Regina Farias disse...

Wendel,

É verdade, paira uma espécie de luto nos corações daqueles que acompanham toda essa situação lamentável que está acontecendo.
Mais do que nunca, o momento é de oração intensa!

Abs

Regina Farias disse...

Dri,

Pois é, comunhão é coisa séria. E o mais lamentável é achar que eu apoiando meu grupinho e vice versa tá de bom tamanho. Dentro das próprias igrejas a gente vê - e lamenta - formações acintosas de grupinhos fechados. A igreja dividida dentro da própria igreja, vê só que viagem.

A gente se acostuma com certos vícios de relacionamento daí paralisa e senta. (Ou é senta e paralisa?)

Estava conversando agora à noite aqui em casa alertando sobre uma expressões que eu acho mais perigosa: acostumar-se.

Quanto a esses ilustres que vc citou, eu sempre achei estranho que pessoas que estudam a mente humana, ironicamente vivem altas crises existenciais a vida inteirinha. Enfim... De repente, a questão é a mesma do que disse que Deus morreu, vai saber...

Beijo grande, tb amo vc (sou hetero)

Regina Farias disse...

Rô,

É verdade, ninguém segura a pose de perfeitinho o tempo todo, uma hora sai do salto.

Aí o jeito é sair do salto e ficar todo mundo no mesmo nível...

Beijo.

João Carlos disse...

Pôxa Renê...

Me deixou sem graça!

Obrigado pelas palavras meu irmão, que Deus continue nos aençoando sempre, TAMBÉM com esta bendita comunhão!

Forte abraço

JC

João Carlos disse...

é bispa,

estes cabras que estudam muito a mente dos outros acabam lelé da cuca mesmo!

lembra aquela psicó-loca (errado mesmo, ficou legal) que a cilene conheceu na clínica que foi visitar, internadinha de pai e mãe?

toma cuidado dri!!!!!!!!!!

Adriana disse...

Pastô,

Estou na boa, quem me supervisona diz isto, então acredito.
Qualquer pessoa que lida com pessoa, precisa de uma pessoa para supervisioná-lo e orientá-lo.
Caso contrário o surto é inevitável.
Imagine vc que o tio Freud mijou, literalmente fez xixi, no livro que seu até então pupilo Jung escreveu, ousando ir do além dos conceitos psicanaliticos.
Agora me diga, quem tratou Freud?
Quem ousaria diz um "a" para o bigodudo?
Pois é, mano, eu sei meu tamanho e preciso de vc para nunca deixar de saber.


beijocas

Regina Farias disse...

Dri,

É por isso que você é grande...

bj