"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

sábado, 27 de novembro de 2010

Mulheres sábias




"A mulher foi criada para ser a perfeita contraparte do homem,
não sendo inferior nem superior,
mas equivalente e igual ao homem em sua pessoalidade,
enquanto diferente e única em sua função".

Quando Deus fez o primeiro homem, disse que não era bom que ele ficasse só, da mesma forma que nunca quis que a mulher ficasse em segundo plano em absolutamente nada. No casamento então, nem dois seriam, mas "uma só carne”, PORÉM, sempre exaltando a individualidade da mulher, dando-lhe valor e responsabilidade ao longo da existência humana.

A esposa virtuosa de Provérbios 31 tem todos os elementos que agradam a Deus:

Razoável independência (v16)

Confiabilidade (v11)

Capacidade de assumir responsabilidade (v13)

Bom gosto (v22)

E determinação para ser digna de honra e elogios (v 28 a 31)

(Bíblia da Mulher, pg 830- Ed Mundo Cristão-SBB)


No AT vemos o exemplo de Débora que era profetisa e uma simples dona-de-casa sendo escolhida por Deus para liderar uma nação, tornando-se juíza e líder militar, libertando seu povo em tempos de guerra.
Tem também Ester, a quem Deus concedeu enorme coragem e grande sabedoria para livrar Israel da destruição; tem a incrível história de Rute, a moabita, de cuja descendência veio O Salvador!  Miriã, que desde criança mostrou-se inteligente ao conduzir e vigiar o irmãozinho, tornando-se mais tarde grande líder; considerada a mais notável mulher hebraica da sua época, foi ainda grande musicista e profetisa.

Havia ainda tantas outras mulheres expressivas tais como Ana, mãe de Samuel, e Abigail, que ao usar de grande habilidade mudou o rumo da vida do futuro rei Davi.

Tempos depois, em Sua perfeita Soberania, Deus não precisaria de uma mulher para realizar Sua obra salvífica, mas escolheu uma menina-mulher - Maria - como instrumento, fazendo triunfar a fé sobre o dogmatismo . Esta, por sua vez, compreendendo que o foco era Jesus, disse:

"Que se cumpra em mim conforme a Tua Palavra"

Isabel, parenta e mãe espiritual de Maria, destacou-se duplamente: como sua mentora extraordinária e como mãe do pregador que viria a ser o portador da mensagem de arrependimento, preparando o caminho para o Messias.

Quando Jesus nasceu, outra Ana servia no templo e vivia ajudando no serviço religioso oficializado naquele local (Lc 2:36.38)

Nos tempos do NT, Jesus sempre enfatizou o ministério das mulheres no evangelismo, ficando bem evidente sua atitude revolucionária quando apareceu para a mulher no poço de Sicar, já que por razões culturais era considerado impróprio para um rabino abordar uma mulher, principalmente uma mulher com aquele perfil. Enquanto ela era discriminada, Jesus a restaurou fazendo-a evangelizadora, com o dom de exortação, persuadindo e incentivando outras pessoas a conhecerem-NO.

" Muitos samaritanos daquela cidade creram nele em virtude do testemunho da mulher" 
(Cf. Jo 4.39)

Observe-se que no Sermão do Monte, onde Jesus deixou a todos maravilhados com Sua doutrina, não existe nenhuma alusão-proibição no que concerne à atuação da mulher evangelizadora. (Mt caps : 5-6-7) Ao contrário, exaltou o fato de Maria de Betânia ficar aos seus pés, ouvindo seus ensinamentos e repreendeu Marta, sua irmã, que queria que a mesma a ajudasse nos afazeres domésticos, numa reação típica de uma cultura que achava que uma mulher não devia receber ensino sobre as verdades espirituais. Jesus rebateu com o intuito de ensinar-lhe e encorajá-la a aprender.

Disse Jesus: “Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada”.

Se Ele discriminasse mulher – e principalmente naquela cultura judaica à época - certamente ele diria:

- Ela tem razão, Maria. Por que você não vai p´ra cozinha, ajudar sua irmã?

A bíblia relata também a passagem da mulher que, em silêncio, estava prestes a ser apedrejada e Jesus dirige a palavra justamente a ela - ignorando questões culturais hipócritas que responsabilizavam a mulher pela luxúria (ora, ela transou sozinha?!) e por isso deveria estar isolada do homem – sendo essa mulher particularmente discriminada não apenas pela sua condição feminina, mas ainda pela sua conduta.

Ressalte-se também a permissão de Jesus para que Maria Madalena fosse a primeira mulher a vê-Lo e a falar com Ele, tendo sido a primeira pessoa a contar as Novas aos outros, ainda que nos moldes da época o testemunho de uma mulher fosse considerado inválido.

E muitas outras mulheres cooperaram das mais diversas formas, no ministério de Jesus... (Lc 8:1.2.3).

O Evangelho se propagou e, mais tarde, Paulo começou a enviar cartas específicas para as localidades.

Há certa confusão em interpretações doutrinárias devido a uma suposta discriminação feita por Paulo às mulheres de Corinto, quando na verdade tratava-se de um meio disciplinador, uma vez que as mulheres da alta sociedade manipulavam grande parte do poder econômico e faziam valer suas vontades. Era comum elas usarem de capricho para com seus maridos, influenciando-os sobre o que deveriam ou não fazer. Esse era um costume feminino quase generalizado permanecendo por muito tempo na igreja primitiva.

Epístola tem caráter específico e principalmente todo um contexto. E naquele contexto em Corinto, ele foi radical porque as mulheres de homens influentes, de grandes líderes locais, achavam que poderiam tratar as coisas espirituais como elas tratavam as outras questões, se achando no direito de tomar iniciativa e tomar as rédeas da situação. Isso pra citar um caso, mas certamente havia outras desordens no comportamento, como em relação a serem tagarelas, empolgadas demais (leia-se "sem noção") e dispararem a falar em línguas estranhas e fazendo uso indiscriminado da língua - falando o que não deviam, confiantes no poder das próprias palavras - daí a admoestação ao refrear da língua, sempre primando pela ordem e decência.

Na carta que escreve ao povo de Filipos (4.3) fica claro que Paulo não dispensa a ajuda das mulheres, lembrando ainda de Lídia e Priscila que eram cooperadoras em seu ministério de evangelização.

Aos gálatas (3.28), ele diz que não há distinção de sexos. Em Tito 2:3.5 as mulheres recebem ordem para ensinar na igreja. Quando ele diz aos efésios para a mulher ser submissa ao marido, deixa claro que o marido AME a mulher, comparando à relação de Cristo com a Igreja (Ef 5.23), numa alusão ao que Deus requer numa relação conjugal, pois ELE não quer submissão em detrimento da responsabilidade da esposa de andar em santidade e retidão diante dEle. Afinal, o marido não é Salvador e sim, protetor. Dessa forma, na submissão voluntária, a esposa serve a seu marido, com liberdade e dignidade, assim como, a Igreja serve a Cristo.

Se a gente atentar para as cartas sem os olhos religiosos da proibição, percebe que Paulo contou com a participação efetiva de algumas mulheres, para as quais ele deu a devida atenção e elogios. Na carta aos romanos isso fica muito claro e simples de entender. É suficiente que se faça uma leitura com atenção.

Vejamos como ele se refere a Febe (16:1.2)

Recomendo-vos, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencréia, para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo.

Quando ele pede pra recomendar a Priscila e Áquila, ele diz "meus cooperadores em Cristo Jesus", citando o casal, não somente o marido.(v.3) Inclusive esse mesmo casal instruiu Apolo acerca do Caminho por terem visto que ele tinha profundo conhecimento acerca das Escrituras (Atos 18.26)

Tem o caso típico de Evódia e Sínteque (Fp 4) que eram reconhecidas por ele devido ao seu estilo de liderança, mas que ele também deu seu puxaõzinho deorelha porque pintou uma competitividade, um ciuminho que estava afastando uma da outra e o cuidado de Paulo era que elas focassem o pensamento no Corpo de Cristo.

O objetivo de Paulo era impor uma nova concepção conforme o que Jesus havia pregado sobre a vida espiritual, desfazendo conceitos, erradicando costumes, mudando a visão e o pensamento dos novos convertidos.

E esse continua sendo o nosso objetivo – nós, mulheres cristãs – quando precisamos estar cada vez mais atentas ao papel que nos foi confiado, pois mesmo tendo passado mais de dois mil anos, ainda existe enorme disputa e grandes equívocos em nome de Jesus. E nós, mulheres, nos tornamos vítimas da nossa própria influência no meio em que vivemos.

Mas existe uma fórmula simples: colocar Deus no comando que sempre foi Dele.

Enfim...

Mulher atrás, apenas em situações específicas. Como, por exemplo, se o marido é paraplégico.

No mais, lado a lado com todos aqueles -homens e mulheres- que se dispõem a ser luz do mundo.

RF.







Mas o anjo, dirigindo-se às mulheres, disse:

Não temais; porque sei que buscais Jesus, que foi crucificado.
(Mt 28.5)



E eis que Jesus veio ao encontro delas e disse:

Salve! E elas, aproximando-se, abraçaram-lhe os pés e o adoraram.

(Mt 28.9)





10 comentários:

Wendel Bernardes disse...

Creio exatamente como você, Regina,
Minha mulher é uma pessoa extremamente inteligente. É independente (até me assuta), culta, focada, desenvolta... exerce muito bem aquilo que se dispõe a fazer!

Eu nunca poderia dizer que ela é minha auxiliar, minha sombra, ou que vive atrás de mim.

Sua potagem é mais do que clara, demonstrando que a mulher por sua sensibilidade, carisma e eficácia foi usada por Deus em situações que o homem simplesmente nem sequer saberia como começar a obra...

Eu estava compartilhando com a Rô, que sou (com muito orgulho) apascentado por uma mulher, e devo dizer que até então, nesse momento em que vivo hoje, sou muito feliz em sê-lo!

Acredito que a mulher é valorizada por demais pelo Deus das Escrituras e que a Igreja (aos poucos) vêm reconhecendo seu valor...

Acho que (não sei se estou sendo otimista demais) esse é um dos poucos filões que a Igreja pode ensinar hoje ao mundo.

Não quer dizer qua ainda não existam defeitos, erros, emendas e perdões a serem pedidos (por nós homens e até por algumas mulheres que não entendem o valor que têm), mas se vislumbrarmos com o olhar de Deus, veremos a mulher como ela é!
Forte como Jael,
Sábia como Ester,
Amiga como Noemi,
Exemplo como Maria de José...

Acho que muitos de nós não entendemos a mulher como uma jóia preciosa (como Salomão) por que simplesmente ainda não conseguimos enxergar seu brilho por causa da nossa cegueira!

Aliás, Salomão passou a vida inteira tentando 'ver' e 'ter' essa mulher, por isso talvez tenha precisado de tantas comcubinas e mulheres... srsrrsrs...
fazer o quê, eu achei a minha e a enxergo como mais que um Rubi!

O chato é que ela não enxerga bem, ainda sou carvão e vou passar alguns milênios para virar o diamante que ela merece... mas acho que essa é mais uma característica boa dela, consegue ver algo bom em quem não tem tantos pontos positivos assim!
rssrrsrs

Paz!

disse...

Muito bom Re, vou copiar e colocar lá no blog ta bom?? muito bom.
Mulher atrás só se o marido for paraplégico. rssss Muito lindo este texto. bjs!

Regina Farias disse...

Wendel,

Que maravilha de complemento!

Muito obrigada!

E que Deus abençoe grandemente sua vida, sua esposa, filhos, sua casa.

Regina Farias disse...

Rô, minha linda

Pode ficar b em à vontade, será uma alegria imensa ter um texto meu no seu blog.

Aliás, foi a postagem do seu blog, sobre a violência contra a mulher, que me inspirou a colocar este, que inclusive eu havia feito em homenagem às mulheres no dia 8 de março. Apenas neste eu fiz uns pequenos acréscimos conforme os questionamentos feitos lá.

beijo grande.

Cláudio Nunes Horácio disse...

Re, que beleza de texto, tbm vou postar essa maravilha lá no susto de amor. Beijão.

Regina Farias disse...

Cláudio,

Fique bem à vontade. E saiba que muito me alegra.:)

No amor de Cristo!

R.

João Carlos disse...

Bispa,

Certa vez o Gondim pregou falando sobre submissão. Na visão dela, à qual eu compartilho, submissão é estar na mesma missão.

É assim que eu creio: Os dois olhando na mesma direção, com os mesmos objetivos, avançando para alcançar o mesmo alvo.

É isso aí mulher, para o alto e avante! (de onde eu tirei isso?)

Beijos

JC

Regina Farias disse...

Jotacê:

Reproduzo abaixo o comentário que euzinha fiz a partir das sábias e oportunas palavras do René lá no blog da Rô sobre o texto da violência contra a mulher (http://mulheresabias.blogspot.com/2010/11/violencia-contra-mulher-nao-e-so-dar_26.html) nas quais ele faz referência ao homem sobre sua responsabilidade com a mulher diante de Deus.

Segue abaixo:

Achei muito interessante você colocar com muita propriedade, a ênfase que Paulo deu em suas colocações e sempre conforme a vontade de Deus.

- Maridos, AMEM... maridos, AMEM...
(Amem, flexão verbal- do verbo AMAR rss)

Para mim, é aí que está o cerne da questão. É onde reside a verdadeira autoridade, que as pessoas confundem com imposição, com mandar, fazer e acontecer. Que ao longo da história e das tradições (e através do pecado) foi se formando o equívoco em torno do plano de Deus de "uma só carne" como complementaridade mútua EM AMOR.

Ora, se o homem não amar a sua mulher e a sua casa, jamais será o cabeça e jamais terá qualquer autoridade espiritual, pois não existe autoridade sem amor.

É desse homem que ama que eu falo e que digo que ele é "o cabeça" da mulher. Por AMOR e jamais por imposição.

Uma pessoa inteligente sabe separar uma coisa da outra e não precisa se debruçar sobre livros e livros pra sacar algo tão simples e tão sublime.

Por exemplo: pela imposição havia a submissão de um escravo, assim como há hoje em alguns casais, a submissão da mulher pelo medo.

Mas o chamamento é para que o homem AME a mulher com o amor de Deus. Daí Paulo falar, EM PRIMEIRO LUGAR (COMO VOCE COLOCOU MUITO BEM!!!), do amor do homem – e não da submissão da mulher - ordenando que todo homem ame a sua mulher, DE MODO QUE ele seja o cabeça da esposa ASSIM COMO Cristo é o Cabeça da verdadeira Igreja. (Eu acho muito importante essa analogia, aliás, foi aí que caiu a minha ficha nessa questão tempos atrás)

Ou seja:

Um homem que ame uma mulher com a qualidade do amor de Cristo — com carinho e zelo, sinceridade e sabedoria — será sempre amado pela mulher que diz amá-lo.

Como diz um pastor: "A autoridade espiritual do homem está no promover a paz pelo amor"!

E pelo fato de haver essa promoção, surge o respeito NATURAL que impulsiona a mulher à tal
submissão voluntária, consentida, permitida pela mulher que ama e é amada. Isso pra mim é Evangelho puro. Isso pra mim é viver o Evangelho na prática. Isso pra mim, é estar de acordo com os propósitos de Deus para o casal.

No Amor de Cristo!
R.

Rubia disse...

Cara ir. Regina,

Pesquise "Junia" a apostola. Tem um livro mt bom mas em Ingles chamado "Lost Apostle" que conta a historia de Junia. Em Romanos 16 menciona Junia e Andronico como "promientes apostolos." Apesar dos Cristoes antigos sempre se referirem a ela como mulher e apostola em 1250+- a igreja catolica passou a dizer q Junia era Junius, um homem, pois jamais uma mulher poderia ter sido uma apostola. Mais tarde quando a questao do genero ficou clara q de fato ela era uma mulher alguns passaram a contestar dizendo que a passagem diz q ela era "conhecida entre os apostolos"... de uma pesquisada q eh um assunto bem interessante. Hj muitos scholars acreditam q ela era apostola e mulher, e depois virou bispa na igreja de Apameia na Syria.

E tambem Phoebe que vc mencionou em Romanos 16, no original em Grego esta claro que ela era Diaconisa. "Serva" eh diakonos em Grego, da qual o titulo eh usado ate hj na igreja.

Se os Cristaos, fizessem como os Islamicos que leem o Quoran em Arabe independente do pais q moram e os Judeus que leem o Torah em Hebrew independente de onde moram, muitas coisas ficariam melhor exclarecida, pois muito se perde com traducoes, o Novo Testamento foi escrito na sua maioria em Grego e deveriamos por obrigacao aprender a ler a Biblia em sua lingua original...infelizmente mts nem leem nem Portugues...=/

Deus abencoe, Rubia

Regina Farias disse...

Rúbia,

Muito obrigada pelos esclarecimentos preciosos!

Seu comentário me fez lembrar de um video de Caio Fábio muito interessante sobre a forma alienada como os religiosos absorvem suas leituras bíblicas, principalmente quando o fazem a partir da doutrina da denominação que seguem. Como ele diz, eles se apegam à bíblia porque eles 'não querem perder o ancestral judaico, a parentela psicológica que virou apenas sombra depois que Jesus surgiu'.

Fico meio cabreira de citar o CF porque permeia uma 'caiofobia' neste mesmo meio religioso, mas arrisco pois creio que você não irá 'se armar' e sim, procurar ouvir apenas o que ele diz, sem emocionalismos. E assim, eu tenho certeza que você irá achar também interessante e, principalmente, REVELADOR.

Taí o link, fique à vontade e tire suas próprias conclusões:

http://www.youtube.com/watch?v=Kf9vt7iltxo&feature=player_embedded

E apareça mais vezes!!!

Deus te abençõe,

Rê.