"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Jesus, a chave que abre o coração



"Perguntou-Lhe Pilatos: O que é a verdade?"

Ora, conquanto Jesus seja também uma informação histórica — afinal Ele existiu, e nós não estávamos lá quando isto aconteceu; razão pela qual dependemos completamente das descrições que os evangelhos fazem de Jesus a fim de melhor discernir seu espírito —, no entanto, o discernimento de Quem Ele era, só acontece como revelação de Deus no coração.

A Verdade não existe como Explicação, mas tão somente como Encarnação. A Verdade se fez carne! É Alguém. A Verdade é uma Pessoa! Por isso, a Verdade só pode ser vivida, não pensada. Todo pensamento acerca dela decorre da experiência. A Verdade não é objeto de prosa.

O Jesus do Evangelho não é para ser aceito, mas para ser conhecido. A Verdade que vejo em Jesus — Encarnada Nele — eu mesmo tenho que conhecer na minha própria encarnação, que é o único estado de existência que eu tive até hoje.

Foi assim com Pedro. Ele conheceu a Verdade em Jesus, e teve que experimentá-la em si mesmo. E, provavelmente, o dia no qual ele negou a Jesus, tenha sido um dia de muito mais verdade que a noite da Transfiguração.

Portanto, é preciso que cada um conheça Jesus e Sua Palavra, para si mesmo. É preciso que cada um aprenda a ter sua própria consciência em fé, a fim de viver a Palavra por si mesmo.

Em resumo, a Encarnação é a chave hermenêutica do conhecimento bíblico, mas essa chave tem que abrir antes o meu coração. E isto só acontece no encontro entre a Verdade e a Vida.

Ora, tal encontro só se dá no Caminho, e é a isso que chamamos Consciência do Evangelho. Por isso, aproveito-me deste trabalho para propor um exercício pessoal libertador:

Quero convidá-lo a pegar os evangelhos e relê-los como se fosse a primeira vez, e faça-o como se nunca tivesse ouvido nenhuma interpretação deles. Pois, assim fazendo, você logo saberá que o que eu digo é apenas uma Nova Repetição do que não muda nunca, pois quando se tenta mudá-lo, nunca é para o bem, pois, trata-se daquilo que é eterno: o Evangelho.

A necessidade de escrever a mensagem de Jesus veio do afastamento cada vez maior da sua fonte histórica - o próprio Jesus de Nazaré (Lucas 1:1-4; João 20:30-31).

Em meados de 70 D.C., já não vivia a quase totalidade das "testemunhas oculares" do Senhor ressuscitado (Lucas 1:2; 1 Cor 15:3-8).

Esse distanciamento cronológico entre Jesus e as comunidades só poderia ser vencido pela palavra escrita. E assim se formaram as duas grandes coleções ou "corpus" das Cartas de Paulo e dos Evangelhos.

Depois, eu gostaria de enfatizar a necessidade de ler o Novo Testamento na ordem cronológica da mais provável sequência de sua produção:

1ª. e 2ª. Tessalonicenses;

Gálatas, Efésios, 1ª. e 2ª. Coríntios, e Romanos;

Colossenses, Filemom; Filipenses, 1ª. e 2ª. Timóteo e Tito;

1ª. Pedro; Marcos; Mateus; Hebreus; Lucas; Atos;

Tiago, Judas 1ª.,2ª. e 3ª. João;

O evangelho de João, 2ª. Pedro;

E Apocalipse.

Como alerta, devo dizer que o primeiro inimigo a ser vencido no estudo bíblico é o pré-condicionamento na interpretação.

Então, meu querido, soda cáustica na cabeça, uma boa chacoalhada, limpeza, e início de leitura pessoal e aberta para a Palavra e para o Espírito. E você verá que começará a surgir o Jesus real das páginas dos evangelhos! Experimente!

Que a Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos.

Texto na íntegra AQUI


(Grifos meus - RF)




9 comentários:

disse...

Oi Rê, Tudo bem?? espero que esteja. Queria perguntar, se vc aceita ser entrevistada lá no meu blog?? Já entrevistei três pastores, agora quero começar com as meninas para dar uma equilibrada. Se aceitar me dê um toque ok. bjs!

Eduardo Medeiros disse...

essa pergunta ainda ressoa para nós: "o que é a verdade"? mas de qual verdade estamos falando? quando você acertadamente diz

"o discernimento de Quem Ele era, só acontece como revelação de Deus no coração."

você está enfatizando a verdade subjetiva daquele que crê. É a fé nessa afirmação que produz em cada um a verdade da fé.

Essa verdade não é uma verdade científica, antes, é verdade existencial de quem diz: "eu creio".

e antes de crer na PESSOA, quem crê tem que crê no testemunho de quem falou da PESSOA. Ou seja, muito da fé na PESSOA é também fé em quem disse tal coisa da PESSOA.

a fé na encarnação só é possível hoje pelo testemunho de quem sentiu isso como verdade na presença do Jesus histórico.

abraços

João Carlos disse...

Os apóstolos (além de outros) testemunharam a morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Testemunharam também ao Cristo Ressurrecto.

Após o Pentecostes, passaram a pregar esta louca mensagem da Cruz, "Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus" (1Co.1.18).

Ora, se isso tudo fosse uma farsa, o quê faria com quê 11 judeus ortodoxos fossem capazes de morrer testemunhando o Cristo?

Sugiro a leitura do excelente livro "Mais que um Carpinteiro", onde o autor, Josh McDowell, jovem estudante de Direito, decide provar que o cristianismo era uma farsa.

Após acurada pesquisa, se rendeu aos fatos...

, que é loucura para os que se perdem, mas sabedoria de Deus

João Carlos disse...

Segue a sinopse do livro:

"Josh McDoweel pensava que os crentes eram todos "loucos". Ele os depreciava; discutia com eles, argumentando contra sua fé.

Mas, eventualmente, descobriu que tais argumentos não tinham consistência, Jesus Cristo realmente era Deus encarnado. Josh tornou-se um pregador nos meios universitários à fé aqueles que eram tão céticos como ele próprio o fora.

Em "Mais Que um Carpinteiro", Josh focaliza a pessoa que transformou sua vida - Jesus Cristo. Trata-se de uma obra de cunho prático, para pessoas que estão duvidosas com relação, ou suas exigência sobre elas.

O escritor é formado pela universidade Wheaton College, e pelo Talbot Seminary. Desde 1964, ele tem-se dedicado a proferir palestrar, viajando pela América do Norte com o grupo Cruzada Estudantil. Outros de seus livros são: Evidências que Exigem um Veredicto e Mais Evidências que Exigem um Veredicto".

Para comprar: http://www.minasdeleitura.com.br/livros/000170.php

Regina Farias disse...

Rô,

Será uma honra, mas pegue leve na saia justa plizzzzz

bj


Edu,

Então...

Essa Verdade que (ainda bem!) não é científica/ matemática é o que norteia a vivência daquele que crê. Uma verdade que só é Verdade quando é provada para si mesmo.

Daí, não ser válido para todos... Daí a "subjetividade"...

O que, inclusive, nada tem a ver com educação religiosa que se recebe.

E essa é a questão: é uma experiência pessoal.

É assim que eu creio.

abs,

João Carlos disse...

Uma pergunta: Se utiliza métodos científicos para comprovar a existência de alguém como, hummm, digamos, Sun Tzu, Sócrates ou Alexandre (o grande)?

Os critérios utilizados não são científicos, fala sério...

Fatos históricos se baseiam em outros alicerces!

João Carlos disse...

Outra coisa: Se a ressurreição de Cristo fosse uma mentira descarada, os judeus teriam provado isso a dois mil anos atrás.

O silêncio deles "grita" a verdade dos fatos!

João Carlos disse...

Bispa...

Sabe a razão d'eu estar assim? É que o cristianismo não é uma "religião" a mais, baseada nas visagens que um profeta louco qualquer teve depois de encher o bucho de feijoada com maionese.

Muito menos depende da fé cega de seus seguidores. Ele circula do Aerópago até as Universidades (como diria o Gondim) baseado em fatos históricos, evidências factuais e históricas que seriam (são) totalmente aceitas em qualquer tribunal ou seja-lá-o-quê for.

Além este foco, temos como "agravante" o papel de seu "personagem principal", a pessoa de Jesus Cristo, que simplesmente revoluciona a vida de qualquer um que se aproxime dEle querendo realmente conhecê-lo.

Ele tem o maior prazer em revelar-se, mas somente o faz para quem quer.

Anyway... Este é O ASSUNTO mais importante da vida de qualquer ser humano. Estamos falando do destino eterno de almas.

Para alguns, antes fosse apenas mais um assuntozinho "importante" como futebol, política ou condição do tempo.

NÃO!

Indiferente da posição que alguém tenha em relação a Jesus Cristo, um dia ele infelizmente comparecerá ao grande Tribunal, no dia do Juízo, e lá prestará contas ao grande Juiz.

O problema é que, se chegar lá sem ADVOGADO, será condenado...

Tenho todo este lado meio "debochado", mas não trisco o pé um milímetro fora do CAMINHO, saca?

É isso.

Acho que vou escrever mais a respeito no meu blog...

Regina Farias disse...

Pastor,

Falando em "fé cega" eu acho interessante que, com a minha conversão a Cristo, tudo ficou mais simples de entender, conferindo-me uma "louca" lucidez que me acalma o coração.

Euzinha que não sabia o que era fé... Que sabia apenas o que era cerimonialismo religioso, como muitas outras pessoas criadas no catolicismo.