"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

A psicologia de massa do fascismo à brasileira








Há tempos alerto para a campanha de ódio que o pacto mídia-FHC estava plantando no jogo político brasileiro.

O momento é dos mais delicados. O país passa por profundos processos de transformação, com a entrada de milhões de pessoas no mercado de consumo e político. Pela primeira vez na história, abre-se espaço para um mercado de consumo de massa capaz de lançar o país na primeira divisão da economia mundial.

Esses movimentos foram essenciais na construção de outras nações, mas sempre vieram acompanhados de tensões, conflitos, entre os que emergem buscando espaço, e os já estabelecidos impondo resistências.

Em outros países, essas tensões descambaram para guerras, como a da Secessão norte-americana, ou para movimentos totalitários, como o fascismo nos anos 20 na Europa.

Nos últimos anos, parecia que Lula completaria a travessia para o novo modelo reduzindo substancialmente os atritos. O reconhecimento do exterior ajudou a aplainar o pesado preconceito da classe média acuada. A estratégia política de juntar todas as peças – de multinacionais a pequenas empresas, do agronegócio à agricultura familiar, do mercado aos movimentos sociais – permitiu uma síntese admirável do novo país. O terrorismo midiático, levantando fantasmas com o MST, Bolívia, Venezuela, Cuba e outras bobagens, não passava de jogo de cena, no qual nem a própria mídia acreditava.

À falta de um projeto de país, esgotado o modelo no qual se escudou, FHC – seguido por seu discípulo José Serra – passou a apostar tudo na radicalização. Ajudou a referendar a idéia da república sindicalista, a espalhar rumores sobre tendências totalitárias de Lula, mesmo sabendo que tais temores eram infundados.

Em ambientes mais sérios do que nas entrevistas políticas aos jornais, o sociólogo FHC não endossava as afirmações irresponsáveis do político FHC.

Mas as sementes do ódio frutificaram. E agora explodem em sua plenitude, misturando a exploração dos preconceitos da classe média com o da religiosidade das classes mais simples de um candidato que, por muitos anos, parecia ser a encarnação do Brasil moderno e hoje representa o oportunismo mais deslavado da moderna história política brasileira.

O fascismo à brasileira
Se alguém pretende desenvolver alguma tese nova sobre a psicologia de massa do fascismo, no Brasil, aproveite. Nessas eleições, o clima que envolve algumas camadas da sociedade é o laboratório mais completo – e com acompanhamento online - de como é possível inculcar ódio, superstição e intolerância em classes sociais das mais variadas no Brasil urbano – supostamente o lado moderno da sociedade.

Dia desses, um pai relatou um caso de bullying com a filha, quando se declarou a favor de Dilma.
Em São Paulo esse clima está generalizado. Nos contatos com familiares, nesses feriados, recebi relatos de um sentimento difuso de ódio no ar como há muito tempo não se via, provavelmente nem na campanha do impeachment de Collor, talvez apenas em 1964, período em que amigos dedavam amigos e os piores sentimentos vinham à tona, da pequena cidade do interior à grande metrópole.

Agora, esse ódio não está poupando nenhum setor. É figadal, ostensivo, irracional, não se curvando a argumentos ou ponderações.

Minhas filhas menores frequentam uma escola liberal, que estimula a tolerância em todos os níveis. Os relatos que me trazem é que qualquer opinião que não seja contra Dilma provoca o isolamento da colega. Outro pai de aluna do Vera Cruz me diz que as coleguinhas afirmam no recreio que Dilma é assassina.

Na empresa em que trabalha outra filha, toda a média gerência é furiosamente anti-Dilma. No primeiro turno, ela anunciou seu voto em Marina e foi cercada por colegas indignados. O mesmo ocorre no ambiente de trabalho de outra filha.

No domingo fui visitar uma tia na Vila Maria. O mesmo sentimento dos antidilmistas, virulento, agressivo, intimidador. Um amigo banqueiro ficou surpreso ao entrar no seu banco, na segunda, e captar as reações dos funcionários ao debate da Band.

A construção do ódio

Na base do ódio um trabalho da mídia de massa de martelar diariamente a história das duas caras, a guerrilha, o terrorismo, a ameaça de que sem Lula ela entregaria o país ao demonizado José Dirceu. Depois, o episódio da Erenice abrindo as comportas do que foi plantado.

Os desdobramentos são imprevisíveis e transcendem o processo eleitoral. A irresponsabilidade da mídia de massa e de um candidato de uma ambição sem limites conseguiu introjetar na sociedade brasileira uma intolerância que, em outros tempos, se resolvia com golpes de Estado. Agora, não, mas será um veneno violento que afetará o jogo político posterior, seja quem for o vencedor.

Que país sairá dessas eleições?, até desanima imaginar.

Mas demonstra cabalmente as dificuldades embutidas em qualquer espasmo de modernização brasileira, explica as raízes do subdesenvolvimento, a resistência história a qualquer processo de modernização. Não é a herança portuguesa. É a escassez de homens públicos de fôlego com responsabilidade institucional sobre o país. É a comprovação de porque o país sempre ficou para trás, abortou seus melhores momentos de modernização, apequenou-se nos momentos cruciais, cedendo a um vale-tudo sem projeto, uma guerra sem honra.

Seria interessante que o maior especialista da era da Internet, o espanhol Manuel Castells, em uma próxima vinda ao Brasil, convidado por seu amigo Fernando Henrique Cardoso, possa escapar da programação do Instituto FHC para entender um pouco melhor a irresponsabilidade, o egocentrismo absurdo que levou um ex-presidente a abrir mão da biografia por um último espasmo de poder. Sem se importar com o preço que o país poderia pagar.

Luís Nassif
 
(Grifos meus- RF)

12 comentários:

Eduardo Medeiros disse...

Oi Regina, tudo bem?

É tão difícil encontrar a opinião imparcial de um jornalista em política...bem, como imparcialidade total não é mesmo possível, resta-me dizer que o texto do Nassif é...parcial demais da conta.

Há equívocos de ambos os lados. Críticas a se fazer para ambos os lados. Políticas boas e políticas ruins em ambos os lados. Corrupção em ambos os lados. Dilma e Lula e o PT não são santos também não são demônios, assim também o outro lado. Mas como é o PT que agora é vidraça (por muito tempo eles adoravam ser pedra), é o PT que está no poder, todos os atos de corrupção que vem de lá aparece mais. E vamos combinar que não são poucos. Lula faz de conta que todos esses casos são marolinhas, coisa dos seus alopradinhos, coisinhas sem importância.

Vamos procurar usar os dois lados da balança.

beijinhos

Regina Farias disse...

Eduardo,

Eu nem queria perder energia nesse tema, mas me preocupa - e me entristece - ver as pessoas com fixação, excessos, adoração, demonização, exacerbação, enfim... Daí resolvi expor outros lados, justamente pra, como diz você, procurar usar os dois lados da balança e chamar as pessoas a pensar sem emocionalismos, e assim, quem sabe, sair desses extremismos tão perigosos.

E nós dois sabemos que, uma coisa é a opinião pessoal de um jornalista e/ou escritor (que ainda que coerente não se tem que concordar com tudo, necessariamente) e outra coisa é pegar dados reais e adulterá-los só pra ver o circo pegar fogo porque se deixou levar pela manipulação das informações.

Ora, não somos ingênuos e sabemos que meias verdades ditas de forma leviana e tendenciosa vira uma grande mentira. E isso me preocupa sim, pois não se trata de gente que vive próxima aos esgotos. É gente que se diz culta, estudada e que mora bem que se deixa levar pela mídia perversa.

É só por isso que eu me manifesto, pois como já falei antes, já passei dessa fase de levantar bandeiras, mas prezo sempre pela lucidez. E pelo bom senso.

Abs,

R.

(Falando em pedrada e manipulação, que palhaçada aquela de quarta-feira no Rio... É disso que eu falo!)

disse...

Edu vc pegou tudo que falei no meu post, sobre que o PT agora é vidraça e antes era pedra, é isso aí, antes eles eram a oposição,e vou lhe dizer Re, eu ia votar no Lula, mas diante de tanta corrupção, e esta ditadura que eles querem implantar no meio de comunicações, isso e´contra a democracia que eles tantos diziam ser defensor. Eles estão querendo dominar todo a esfera e isso não pode acontecer, pois fere a democracia. Ele fez um governo bom, tudo bem fez, mas o que importa é o que eles querem daqui para frente, vc já leu o PNDH 3 ??
Se não leu, então leia mana. Bjs te amo em Cristo!

Regina Farias disse...

Rô, minha linda

Evitando ao máximo ser repetitiva, colo aqui parte do que falei antes:

"... meias verdades ditas de forma leviana e tendenciosa vira uma grande mentira".

Meu carinho,
Rê.

disse...

meias verdades ditas de forma leviana e tendenciosa vira uma grande mentira".

Mas de quem mana vc esta falando?? Do PT ou do PSDB? ou de quem passa as notícias?

Regina Farias disse...

Rô,

Creio que seja qualquer um que use uma informação e não procura saber se a fonte é confiável e então já leva adiante, (aumentando um ponto ou subtraindo um ponto, conforme a própria conveniência) seja a mídia de massa, seja um candidato desesperado ou até mesmo um blogueiro desavisado.

Este é um momento muito delicado mesmo, e, como há uma rede de equívocos e corrupção generalizada, precisamos estar bem atentos.

Prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, já dizia minha vó.

É assim que eu vejo pessoalmente.

bj
Rê.

disse...

Desculpa mana, mas os blogueiros geralmente vai nas fontes certas, eu mesma sempre vou no Estadão , na uol e outras fontes confiáveis, e vou te dizer uma coisa, ninguém mais do que a Folha quer pegar o PT na esquina, não é mentira não mana, ninguém é tão irresponsável para isso, eu mesma sou uma, não coloco meu pescoço a prêmio, este negócio de dizer que as notícias não são de fontes confiáveis é um lero dos Petistas que estão sendo levados pelo emocionalismo como vc disse e pelo bairrismo. Por exemplo Caio Fabio é do Norte e falou do Piauí, e eu conheço o Norte morei lá no AM. Agora se falarem mal do Rio to nem aí, pois sei que o Rio também tem suas mazelas. E na verdade, não existe meia verdade. Paz mana!

Regina Farias disse...

Rô, minha linda, você não está entendendo...

E não veja de forma pessoal, pelo amor de Deus! Afinal,somos adultas e sabemos que quem se expressa publicamente está sujeito a ser questionado.

Além do mais, divergência não exclui amizade, mesmo que sejamos teimosos e insistentes em não abrir mão de nossas "verdades absolutas". Aliás, é na divergência que se põe à prova a verdadeira amizade, ainda que suas bases sejam virtuais.

Enfim, considerando tudo isso, permita-me ser honesta nas minhas colocações, do contrário estaria me violentando.

Bem, o que eu gostaria de dizer com toda serenidade de alma é que, a partir desse seu breve comentário, percebe-se uma série de equívocos.

Senão, vejamos:

Você já começa se comprometendo seriamente ao generalizar e falando em nome de TODOS os blogueiros, quando diz "Desculpa mana, mas os blogueiros geralmente vai nas fontes certas".

Ora, convenhamos, existe um sem-número de blogueiros das mais variadas formações por aí afora, portanto não poderíamos jamais apostar no perfeito código de ética de todos eles. Isso seria humanamente impossível! Sem falar que seria uma aposta de uma ingenuidade sem tamanho.

E, vamos ser sinceras, quantas vezes recebemos mensagens, e - sem atentar para a veracidade e até o conteúdo veladamente maldoso ou escancaradamente pernicioso, preconceituoso e irônico - LOGO tratamos de repassar?!

Depois, isso de dizer que Caio Fábio ter propriedade pra falar de realidades sociais do
Piauí pelo simples fato de ele ser do Norte, já destoou, pois o Piauí não pertence ao norte.

A propósito, temos 5 regiões bem definidas no nosso país e o Piauí pertence à região Nordeste.

E C.F. até pode conhecer todas as regiões do país, mas continuo achando que o que ele falou soou preconceituoso na medida em que ele diz - em outras palavras - que o miserável que vive exalando cheiro de esgoto não tem inteligência, não pensa por si, etc. Está lá no video, saído da boquinha dele, claro que de outra forma, mas exatamente isso. E, independente disso, já fiz minhas considerações a esse respeito lá no seu blog.

E, por fim, minha amiga, desarme-se e leia com outros olhos porque não houve crítica ao Rio e sim ao episódio lamentável acontecido lá. Poderia ter sido em qualquer outra parte do mundo. A ação, o comportamento, a reação DAS PESSOAS, tudo isso, SIM, é que está sendo levado em consideração.

No amor de Cristo, qué é, antes de tudo, ético.

Rê.

disse...

Regina eu sei que o Piauí não pertence ao Norte rs rs, Filha só quis dizer que ele é do Norte e para vc saber que ele não é do sudeste, então não há bairrismo do Sudeste, foi só isso. E CREIO QUE O CAIO FALOU DO PIAUÍ POR ELE SER REFÊNCIA NEGATIVA DO PAÍS EM TUDO, POIS SEMPRE QUE CITAM O PIOR, TODOS FALAM DO PIAUÍ, E ISSO NÃO É PRECONCEITO, É REALIDADE.

quando digo "Desculpa mana, mas os blogueiros geralmente vai nas fontes certas.

Digo isto mana, porque não acho legal colocar em dúvidas meus irmãos blogueiros, acho que deva haver aí uma CERTA ética vc não acha?? pois somos blogueiros também. Então devemos ter um ética entre nós, e uma delas é de nunca duvidar um do outro. Não acho legal acusar um irmão blogueiro de pegar notícias de fontes não seguras, estaria eu desqualificando meus irmãos, não seria nada ético de minha parte. Graças a Deus conheço muitos que são sérios no que fazem, ainda não peguei nenhum de má fé.Paz e bjs no seu core!

Regina Farias disse...

Rô, minha linda!

Como assim, pra eu saber que CF não é do Sudeste?!

Você certamente não deve ter lido lá no seu blog que eu escrevi claramente que conheço a história de vida dele, assim como milhares de brasileiros também conhecem.
E, o fato de ter sido no Piauí ou na Cochinchina, não exclui a conotação preconceituosa. Portanto, essa não é a questão, alooooow!!! :)

Outra cosita: não é porque tenho vários “irmãos blogueiros” que tenho que concordar com tudo que eles expõem, não cheguei a esse ponto de ingenuidade e burrice. Divergência não é falta de ética.

E se tem uma coisa que prezo muito é o meu senso crítico, não abro mão dele, o que, aliás, me dá mais lucidez ainda para exercitar a minha ética (do grego ethos, que significa modo de ser, caráter, comportamento) e me proteger das bobagens e apelações que muitos “irmãos blogueiros” têm postado nesses últimos dias.

Sinceramente, no Amor de Cristo,
Rê.

P.S.: Tá ligada que Caps Lock é sinônimo de grito? :)

disse...

To ligada sim mana, é que entrou o caps loock, aí deixei.Não costumo escrever com caps look com ninguém, não se trata de concordar mana. Mas de confiar no que seu irmão fala, eu pelo menos sempre pergunto sobre as fontes e verifico, e todos são sinceros comigo, graças a Deus, e isso não é ingenuidade e nem burrice, é confiar no seu irmão blogueiro, assim como quero que confiem em mim.Mas deixa pra lá. Ah! não esqueça da entrevista amanhã do nosso mano Cláudio. Bjs!

Regina Farias disse...

Rô,minha linda

Bem que eu falei anteriormente para você não levar para o lado pessoal... :) Quando eu cito termos como ingenuidade e burrice, observe atentamente que eu me refiro à minha própria pessoa, veja lá, não entenda mal, pelamorrrrdeDeus! Paz! (Tô aprendendo seu jeito rss)

Por outro lado, nós duas sabemos que precisamos estar mesmo muito antenadas pois mesmo confiando como você pede, eu repito que não tenho que concordar cem por cento com tudo que está escrito nos blogs dos irmãos, entendeu? Afinal, todos nós, seres humanos somos passíveis de erros, de vacilos, de equívocos, de envolvimento emocional, de nos tornarmos parciais em defesa de alguém que muito admiramos, etc, etc.

Enfim, sem querer ser repetitiva- mas já sendo rss - discordar não significa que não seja amigo ou que não confie na pessoa.

Mas eu concordo com você em algo rss Deixemos isso pra lá.

E não me esqueci da entrevista do Cláudio, de jeito nenhum. Podexá :)

bj

R.