"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

domingo, 12 de dezembro de 2010

A PAZ que vem de Deus (Parte II)



“...E mesmo quando eu chorar, as minhas lágrimas serão
Para regar a minha fé e consolar meu coração..."




Eu já vivi intensamente essa paz dos homens...
Essa paz do mundo. A paz que vem do pretensioso senso de propriedade e da falsa segurança em coisas e pessoas. Antes, eu não saía de casa sem a segurança do meu carro novo de tanque cheio, sem meu cartão de crédito, sem meu talão de cheques, sem minha carteira de grife recheada de dinheiro. Também não saía de casa sem a certeza de que minha casa era o meu refúgio de volta, que os meus filhos eram a minha alegria e que o meu marido era o meu deus - este último, não por idolatria consciente, mas pela falsa ideia de que o próprio Deus o teria nomeado para me proteger em Seu lugar.

Para que Deus se revelasse em mim, foi necessário que eu chorasse amargamente por um longo tempo todas essas perdas como a me esvaziar completamente de qualquer resquício de falso poder que porventura houvesse em meu ser. E depois de muitos anos resistindo ao Espírito e à Verdade, finalmente me prostrei cansada e abatida... E eis que essa revelação se instalou em mim! Isso é um acesso pessoal que não tem nenhuma religião, nenhuma denominação, nenhum pretenso pacote doutrinário que seja capaz de realizar. (Esse mesmo pacote de doutrinas que oferece uma falsa expectativa de segurança aos seus seguidores). Como disse Deus (Jr 8.11) na boca do profeta: “curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz.”

E posso dizer que, em mim,  foi a coisa mais maravilhosa, lúcida e perfeita que aconteceu e que jamais acontecerá posto que é definitivo. E não que eu tenha me tornado uma pessoa perfeita, mas com a certeza de que podem me tirar tudo, pode o mundo inteiro me abandonar, mas meu Deus jamais me abandonará.

É disso que estou falando, é dessa paz que venho falando desde que iniciei a blogar. E não daquela falsa paz anterior e que tem uma linha bem sutil separando-a desta verdadeira paz; não aquela que nos engana dizendo que nela somos abençoados, já que nela temos "tudo" que precisamos. Naquela que lhe diz como em mantra que está tudo bem ainda que existindo uma voz latente dentro de você dizendo que está faltando algo, que aquela completude toda não está completa, que aquela felicidade toda é ilusória mas que você finda por abafar essa voz teimando em viver nela. Então, fingindo que está feliz, segue silenciosamente dando murro em ponta de faca, sorrindo amarelo e repetindo pra si mesma que está tudo bem.

A grande cilada é que a linha é bem sutil pra quem está do lado de lá. Do lado de cá, da verdadeira paz, a diferença é enorme. E só dá pra sacar a diferença quem, de fato, experimenta a verdadeira paz. Paradoxalmente, só quem já experimentou essa outra paz - a da pseudo segurança - é que pode falar com propriedade, posto que, apesar da linha aparentemente sutil, há uma enorme diferença que se coloca como separação e que é vivida na própria existência. E isso não dá para teólogo nenhum colocar em palavras. Porque é experiência vivida "no chão da existência".

Saber (quase) todo mundo sabe, é diferente de viver na prática. Foi o que disse Jesus: ora, se sabeis essas coisas, bem aventurados sois se as praticardes. Mas praticar mecanicamente? Até que os religiosos tentam, mas é cansativo, é pesado. E, ainda que não se perceba cansativo nem pesado por ter-se transformado em mero hábito (costume), lá no fundo do coração sabe-se o vazio, pois também nada diz de vida sincera e verdadeira.

Por outro lado, viver o Evangelho no cotidiano não significa ser o piedoso e bonzinho do monastério, com cântico gregoriano nos lábios, isolado do mundo. É viver, no caos do mundo, uma paz que não é do mundo. É viver levando cacetada e entristecer-se diariamente, porém, sem nunca perder a esperança nem entrar em pânico com a tempestade que aponta por ter a certeza do Condutor do Barco.

Só quem já viveu a outra paz e, de fato, vive a verdadeira, não apenas sabe como é flagrante esse saber em seu estilo de vida. E não que passe a ser a pessoa mais correta da face da Terra e sim - como disse certa vez um pregador - que foi tocado pela Graça de tal maneira que sabe que fora dela não tem qualquer chance de segurança alguma.

Gosto muito dessas palavras de Paulo (2Co 4.8) e as repito muito ultimamente:

"Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém, não destruídos".

E perseguição não existe apenas de maneira explícita e agressiva, que leva a pessoa para a fogueira em meio a uma multidão de expectadores. Existe a perseguição velada - emocional, psicológica - que tenta minar nossas energias. E nessa perseguição cada vez mais eu enxergo um teste à nossa fé. E quanto mais eu sou provada, mais eu me coloco aos pés da Cruz! Pois não existe alegria maior do que a certeza de ser amada em meio aos obstáculos, dificuldades e tribulações.

E, como diz o cântico: louvando a Deus, não importando as circunstâncias. Glorificando o Seu Santo Nome com temor e tremor! Em todo o tempo!




Rompendo em fé.

Canta: Kléber Lucas

Cada vez que a minha fé é provada,

Tu me dás a chance

De crescer um pouco mais.

As montanhas e vales,

Desertos e mares que atravesso

Me levam para perto de Ti.

Minhas provações não são

Maiores que o meu Deus

E não vão me impedir de caminhar.

E se diante de mim, não se abrir o mar

Deus vai me fazer andar por sobre as águas

Rompendo em fé,

Minha vida se revestirá do Teu poder

Rompendo em fé,

Com ousadia vou mover no sobrenatural

Vou lutar e vencer, vou plantar e colher,

A cada dia vou viver rompendo em fé.





8 comentários:

René disse...

Rê,

Não sei se você tem idéia da importância desse seu testemunho de vida, ainda que sem entrar em detalhes (são desnecessários), mas, se não tem, devo dizer que é um bálsamo para mim. E tenho a certeza de que será para muitos outros, pois este é um testemunho de vida semelhante ao de todas as pessoas. No primeiro momento, experimentamos a vida na nossa própria força, elegendo nossos próprios deuses, e longe do Deus Pai e Criador. Depois, a 'descoberta' desse Deus e a conseqüente rendição a Ele. Num terceiro passo, o conhecimento íntimo desse Pai amoroso, cuidadoso e poderoso.

Com essa intimidade, esse envolvimento, vem a perseguição. Quando não é escancarada, é como você disse: "perseguição não existe apenas de maneira explícita e agressiva, que leva a pessoa para a fogueira em meio a uma multidão de expectadores. Existe a perseguição velada - emocional, psicológica - que tenta minar nossas energias". Esta forma velada é muito dolorida, porque, na maioria das vezes, vem daqueles que nos são mais próximos.

Aí, endosso sua conclusão: "nessa perseguição cada vez mais eu enxergo um teste à nossa fé. E quanto mais eu sou provada(o), mais eu me coloco aos pés da Cruz! Pois não existe alegria maior do que a certeza de ser amada(o) em meio aos obstáculos, dificuldades e tribulações".

Só posso agradecer a você!

Bj no seu coração, morada do Espírito Santo, e Paz!

disse...

Este seu texto mexeu comigo mana, me faz pensar realmente que sem esta paz não da pra viver, que depois que a experimentamos nada mais faz sentido.
Quero te dizer também que seu livro tem me ensinado de uma forma diferente, pois estava precisando de lê algo assim, que falava do mesmo assunto, mas totalmente diferente, e eu estou aprendendo como seria do jeito Cris. Depois te falo em off. bjs e paz.

Eduardo Medeiros disse...

acredito em cada palavra; creio que você de fato encontrou a paz de deus. como você disse, a paz buscada no que é exterior está fadada ao fracasso, à desilução. não acredito num deus exterior a mim, pois senão ele também seria um objeto a ser buscado, por isso, jesus disse que "deus é espírito", ou seja, não é "objetável". acredito no deus que vive dentro de todos nós e que tem a ver com o que de mais importante temos: nossa interioridade, o templo onde mora o espírito, onde mora deus. quem descobre esse templo interior, acha a paz, ainda que não seja um crente formal no deus bíblico.

beijos

Anônimo disse...

Texto maravilhoso tia Regina.. Queria ter mais tempo para desfrutar dos aprendizados desse blog. O Senhor é o único que nos traz a paz! E eu sou testemunha de tudo que você passou antes de receber essa paz que excede todo o entendimento. Eu me aproximei de você exatamente no momento de grande angústia da sua vida . Saiba que sinto e vejo em você o agir de Deus. Beijos. E "bora ler " Yandra...
Sim, esse fim de ano está uma correria , mas você precisa ver Giovana.. Está muitooooo sabida! rs. Bjos. Yandra

João Carlos disse...

Minha amada bispa,

Não sei bem o que dizer. Sei apenas que gente como você atravessa deserto qui-nem um camelo, não parando para lamber as feridas, muito menos para se lamentar e blasfemar contra Deus que, injustamente, várias vezes é considerado o "culpado" pelas coisas não acontecerem como queríamos em nossas vidas.

Esta consciência porém, parafraseando você, só vem quando "passamos do lado de lá para o de cá", tomando a pilula vermelha da Matrix (é a vermelha mesmo, não lembro... rsrs).

Isso se dá de maneira quase trágica: Tudo cai, tudo desmorona, parece o fim do mundo. Algum tempo depois abaixa a poeira. Sacudimos a capa e vemos que estamos inteiros, apesar da dor dos escombros que caíram sobre nós.

Levantamos, seguimos e sabemos que estar de pé novamente não depende mais de você: ELE comprou sua S) briga (s)!!!

Beijo grande!

JC

Regina Farias disse...

Renê,

Uma coisa eu sei e é bem claro em mim: que eu tenho obrigação de externar o que vai na minha alma.

E você disse a palavra chave que resulta de toda essa experiência: intimidade. Daí pode vir perseguição pois como bem disse o J.C. eu sei quem comprou a minha briga. A preço de sangue, inclusive.

Eu que agradeço pelas palavras de crédito e de reforço de fé, esperança e amor.



Rô, minha linda.

Fico feliz com a mexida rss
O bom é quando mexe mesmo com a gente, pois significa que não estamos com o coração e a mente empedrados e sim abertos a um processo que não tem fim.

Quanto ao livro, eu entendo - sem qualquer pretensão - que em algum lugarzinho nele, tem algo que fala ao coração de todas as mulheres. E observe que foi em época que eu não conhecia o Evangelho, mas Deus me conhecia e já me conduzia e me colocava em seus braços, ainda que eu não atinasse pra isso.

Bora mesmo trocar figurinhas rss



Eduardo,

Fico feliz que você acredita, pois sei do quanto é exacerbado seu senso crítico (risos) sei bem o que é isso, eu mesma sou assim.

Mas o que mais me encantou nessa minha trajetória de vida foi não acontecer o que eu mais temia, que era ficar alienada, fanática, religiosa, enfim, acostumada com as regras igrejistas. Mas não teve a menor chance rss, pelo contrário, fiquei mais lúcida e pé no chão.

E mais, eu não sou "crente" nem formal he he

Sou a pessoa mais espontânea e descontraída que você possa imaginar.É um defeito do qual não abro mão.



Yandra, menina de Deus!

Que alegria ter você comentando aqui, testificando meu testemunho de vida. E que coisa maravilhosa relembrar as pessoas preciosas que estavam perto de mim em um momento que eu estive totalmente sem rumo. Deus é mesmo maravilhoso.

E tô devendo mesmo uma visita à sua linda princesa, me aguarde!



J.C.
Rapaz, pare de me chamar de bispa... afe! Tô já acreditando que sou, sabe aquele lance de tanto se repetir uma mentira ela se torna verdade ah ah ah

Bom, mas eu tô mesmo é disfarçando a emoção com tanta gente falando só palavras de conforto aí vem você e detona dicunforça pra "fechar".

Impressionante essa sua capacidade de discernir:

"Tudo cai, tudo desmorona, parece o fim do mundo. Algum tempo depois abaixa a poeira. Sacudimos a capa e vemos que estamos inteiros, apesar da dor dos escombros que caíram sobre nós.

Levantamos, seguimos e sabemos que estar de pé novamente não depende mais de você: ELE comprou sua (S) briga (s)!!!"

Apesar da dor dos escombros que caíram sobre nós...

Deus abençoe a todos!

Meu carinho,

Rê.

João Carlos disse...

Episcopisa Regina,

Eu ei que é assim por ter sido desta forma que aconteceu comigo.

Tem coisa "melhor" do que falar sobre algo com experiência de causa?

Tô cheio de cicatrizes e me orgulho de cada uma delas...

Beijos

JC

Regina Farias disse...

ah ah ah

Episcopisa? afff á tá me xingando

risos