"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

sábado, 26 de junho de 2010

Afinal, qual é a vontade de Deus para minha vida?





O homem crê que é “capaz de Deus”, e, sobretudo, de dizer aos outros humanos qual seja a vontade de Deus para o outro.

Ora, a vontade de Deus é uma só: que nos amemos uns aos outros!

Deus não tem planos profissionais para ninguém. Nem de qualquer outra natureza tópica.

O plano de Deus, não importando onde eu esteja, é que eu ame e pratique o amor. O resto é insignificante!

É o que Paulo diz quando afirma: “... ainda que eu...”  fale línguas de homens e anjos, ou profetize, ou saiba todas as ciências e adquira todas as sabedorias, ou me entregue às praticas de martírio ou de entrega social de todas as minhas produções aos demais homens necessitados, mas, “se não tiver amor, nada me aproveitará”;  e mais: nada será vontade de Deus.

Paulo nunca discutiu nada disso. Sabia fazer tendas. Mas era chamado para pregar. Por isso, tendo dinheiro para entregar-se apenas à pregação, assim fazia. Mas se não tinha, então, fazia tendas, e, pregava nas horas possíveis.

Ou seja:

Paulo tratava tudo com simplicidade, pois, a vontade de Deus era amor, e, amor, cabe em qualquer oficina de tendas.

As pessoas perguntam, referindo-se aos detalhes da vida, como se eu ou qualquer outro ser ameba humano pudéssemos responder: Qual é a vontade de Deus para a minha vida?

Ora, eu posso responder, mas a resposta que tenho a dar não satisfaz as pessoas que querem saber a vontade de Deus como um guia afetivo e profissional das jornadas na Terra... Então, não sei! Afinal, nessas coisas, à semelhança de Paulo, apenas uso o bom senso para decidir, e nunca o faço como quem consulta um “guia de jornada”, mas apenas como uma decisão de agora, da circunstância do existir; e isto, sempre, apenas conforme o espírito do Evangelho, que é amor.

A vontade de Deus são os Seus mandamentos, embora Jesus tenha nos dito que até os mandamentos, sem que sejam vividos em amor, são desagradáveis a Deus; pois, sem amor, todo mandamento não passa de presunção e arrogância.

A vontade de Deus é amor, alegria, paz, bondade, longanimidade, mansidão e domínio próprio!

Se você faz isso entregando o lixo, operando na mais rica clinica de neurocirurgia, ou se o faz pregando como um ensinador da Palavra, não importa; pois, a única coisa que importa para Deus é se você vive ou não o amor como o mandamento de seu ser.

O que Deus quer de mim? Onde quer que eu trabalhe? Com quem quer que eu case?

Ora, Jesus não respondeu tais perguntas a ninguém!

Quando Pedro quis saber... Jesus apenas disse: “Que te importa? Quanto a ti, vem e segue-me”.

Quanto mais a pessoa se dispõe a andar em amor e fé, sem buscar mais nada, tanto mais ela encontrará uma sintonia fina com Deus e com a vida, e, assim, sem que ela sinta, irá sendo posta no leito do rio de sua própria vida.

É claro que Deus tem a vontade que diz “não”. Mas essa é a não-vontade de Deus. É o que Deus não quer, pois, é o que Deus não é.

Deus não é mentira, nem engano, nem ódio, nem cobiça, nem traição, nem injustiça, nem maldade, nem indiferença, nem descrença, nem altivez, nem orgulho, nem arrogância, nem vaidade, nem medo e nem frieza de ser.

Assim, a tais coisas Deus diz “não”, mas não como quem diz a Sua vontade, mas apenas aquilo que não é vontade Dele.

Portanto, a vontade de Deus não é “não”, mas “sim”, embora a maioria apenas pense na vontade de Deus como negação.

Ou seja:
Para tais pessoas Deus é Aquele que diz “Não”.

A proporção, todavia, continua idêntica à que foi estabelecida no Éden. Pode-se comer de tudo, e, apenas diz-se não a uma coisa: inventar a nossa vontade contra essa única coisa à qual Deus disse “não”.

Todas as árvores do Jardim são comestíveis, mas continuamos discutindo a única árvore proibida, tamanha é a nossa fixação na transgressão como obsessão na vida.

Entretanto, a vontade de Deus é sim, e, para aqueles que desejam fazer a vontade de Deus, e não apenas discuti-la, Deus revela Sua vontade como fé e amor, e, nos diz que se assim vivermos provaremos tudo o que é bom, perfeito e agradável, não porque a vida deixe de doer, mas apenas porque o pagamento do amor transcende a toda dor.
A vontade de Deus é que eu desista das coisas de menino nesta vida e abrace as coisas de um homem segundo Deus.

Agora, se você vai trocar de casa, de carro, de mulher, de emprego, de cidade, de país, de nome — sinceramente, é melhor consultar um bruxo, uma feiticeira ou um profeta que aceite pagamento para contar tal historinha.

Você pergunta a Jesus:

- Senhor, qual é a Tua vontade para mim?

Ele responde:

- É a mesma para todos os homens. Sim! Que você ame e pratique o amor, pois, sem amor, nada será vontade de Deus para você, ainda que você distribua todos os seus bens aos pobres e entregue o seu corpo para ser queimado em martírio de dignidade pela consciência e pela liberdade.

Dá pra entender ou é difícil demais?

Que tal a gente parar de brincar de vontade de Deus? Vamos?

Chega, não é, gente?


(Na íntegra, aqui ---> Caio Fábio)

8 comentários:

Maria Simone disse...

Olá Regina,

Faz já algum tempo que estou te seguindo e não tenho deixado de visitar o teu blog, de modo que estou sempre atualizada.
Coincidentemente ontem à noite, deparei-me com este texto do Caio Fábio e li-o.
Parabéns a você, por tê-lo publicado em seu espaço. Achei-o muito profundo. Se bem que eu tenha sempre em mente essa carta do apóstolo Paulo, I aos Corintios, 13, e considere o amor desinteressado, à perfeição.
Jesus Cristo foi perfeito, porque amou.
Beijo

Marcos disse...

Excelente defesa do amor Regina. Bom mesmo. Sem amor, não existe vida.

O Sentido da vida é um só: VIVER.

Só uma ponderação: Para viver a vida precisamos de dinheiro, e Deus valoriza o trabalho, pois abençoou o suor de nossos rostos. E ele prepara o que precisamos apesar de tanta luta e dificuldade.

Creio que o desejo de Deus é sempre nos abençoar!

Mas, não pode faltar o amor! rsrs

Regina Farias disse...

Marcos

Eu posso tá errada ,mas arrisco no meu achismo que o autor quis se referir a essas consultas neuróticas que as pessoas fazem para benefícios estritamente pessoais, pessoas que vão à igreja só pra ver se Deus fala com elas, que fazem consulta a pastor, que fazem consulta bíblica como se fosse cartomancia e no final das contas, com suas cabecinhas confusas, egoistas, inseguras, e, claro, cheias de leis e superstições religiosas, deixam de lado o mais importante, que é viver em amor.

Pelo menos euzinha interpretei assim :)

bj

R.

Regina Farias disse...

Oi, Simone!

Seja sempre bem vinda!

Então...

Gosto de textos que me dizem sobre a vida prática, o cotidiano, o viver real, o pulsar!

Aliás, confesso que eu não tenho muita paciência pra ler certos teologismos pedantes por aí... Dá logo um tilti em T&T e eu não entendo nadica rss

Valeu e volte sempre!

bj

R.

Adriana disse...

Oi Regina,
compartilho com vc este gosto pelo que me ajuda no chão da vida, afinal sou cidadã do céu, mas por enquanto temos que nos virar por aqui.
O Caio trabalha bem estas questões.
Não é difícil encontrar o crente que que coloca Deus dentro da caixinha de promessa e ai dEle se sair dela.

abraços

Regina Farias disse...

Então, Adriana

Não vejo diferença nesse tipo de "crente" em relação a outras crenças que fazem suas "consultas" abertamente.

No fundo, estes tais são todos uns esotéricos, só não assumem.

bj

R.

Adriana disse...

Bingo!!

João Carlos disse...

Frase do dia (ou da semana):

"Paulo tratava tudo com simplicidade, pois, a vontade de Deus era amor, e, amor, cabe em qualquer oficina de tendas".

Ponto.