"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

O fariseu e a máscara





Nesses dias de carnaval tenho ficado em casa com mais tempo para ler, pesquisar, escrever... E aí me detive especialmente em relação aos estereótipos que permitimos impregnar em nós mesmos ao longo da vida.



O impressionante é que é algo intrínseco à natureza humana essa forte tendência a uma auto-afirmação reinante como uma espécie de propaganda enganosa. É como se determinado rótulo colocado na embalagem do produto humano o diferenciasse silenciosamente exigindo mais respeito e atenção em detrimento de outro.


E o estranho é que - de tão repetitivo, chegando inclusive a ser algo automático e diretamente ligado à exterioridade - essa máscara que grudamos em nossa alma passa a ser uma marca que irradia por todo nosso ser. Então, não só passamos a acreditar naquela farsa que nós mesmos criamos como conseguimos a façanha de fazer o outro acreditar nela também e aí não queremos mais nos despir dela, já que revelar o que, de fato, há lá dentro vai comprometer seriamente a reputação tão habilidosamente montada.

É quando nos vem a pergunta: de onde será que veio tudo isso? E saímos viajando pela história da humanidade esbarrando inevitavelmente em outros modelos que ao longo do tempo nos fizeram forjar de modo conveniente as nossas exterioridades.

Em meio a modelos tais como os saduceus com a sua urbanidade aristocrática, o herodiano e seu cunho político, os radicais zelotes e ainda o ascético essênio das comunidades isoladas, é o doentio FASCÍNIO pelo estilo farisaico que me chama à atenção.

Sem entrar no mérito da forte característica beligerante/ortodoxa fixo-me na principal característica desse grupo: uma suposta pureza de alma.

Associe-se a isso, a enorme atração que exercia sua linguagem de origem popular aproximando-se do imaginário de homens comuns, controlando seu comportamento, IMPONDO uma ética pretensamente bíblica permeada de limitações arbitrárias... E pronto! Estava feito o modelo perfeito, unindo o “útil” ao agradável que iria perdurar por um longo tempo na natureza caída do homem neurotizado pela reputação individual e coletiva, trazendo para dentro das instituições religiosas atuais essa forte semelhança farisaica que denuncia uma teimosia dissimulada em querer moldar nosso caráter a partir de performances.

Essa dissimulação generalizada aponta forte discurso tendencioso com pitada de falsa postura zelosa numa espécie de camuflagem que leva alguém mais cuidadoso a questionar o que impulsiona uma pessoa à pregação e se, de fato, está naquele meio uma real proclamação do evangelho OU da própria instituição religiosa.

João Batista já chamava os fariseus de “raça de víboras” recomendando-lhes que ANTES de receberem o batismo produzissem “frutos dignos de arrependimento”. Vê-se depois Jesus usar a mesma metáfora citando a cobra com sua natural camuflagem ao ocultar-se entre pedras e plantas à espreita dos desatentos.

É dessa camuflagem que eu falo. Pois assim como o homem lança mão desse artifício passa a avaliar o outro de maneira superficial também. O homem tem por hábito fazer avaliações automáticas sobre o outro, identificando-o pela aparência, linguagem, circunstâncias. Tal mecanismo é rápido... E FALHO!

Jesus nos adverte sobre isso inúmeras vezes, inclusive usando a metáfora do prato e a do sepulcro caiado atentando para o fato de como é fácil alguém enganar outra pessoa com a imagem exterior. Por se preocuparem com o exterior descuidando-se do interior, os fariseus se escandalizavam ao ver Jesus comer com pecadores, conversando com prostitutas e leprosos. Eles não entendiam posto que olhavam com olhos de juízes enquanto Jesus VIA com olhos de compaixão, enxergando o outro além da mera aparência, algo inalcançável à rigidez religiosa.

Por causa dessa rigidez distante da edificação proposta, Jesus IGNORAVA todo aquele cerimonialismo hipócrita alertando sobre o que, DE FATO, contamina o homem, nos dando verdadeiros puxões de orelha em relação aos COSTUMES E TRADIÇÕES e uma grande lição aos falsos piedosos cuja disciplina espiritual baseava-se no que se via: rosto desfalecido por causa do “jejum”, expressão facial sofrida, orações chamativas, filactérios...


Continuando com sua obtusa pretensão e considerando-se melhores que os pecadores que não adotavam seus métodos, os fariseus ainda usavam a prática acintosa do SECTARISMO sem aproximar-se daqueles, ESCANDALIZANDO-SE com um MESTRE que frequenta rodas e residências de publicanos, inclusive sem “cair a ficha” quando Jesus diz que o doente é que precisa de médico. 

Observem-se a IRONIA e tremendo equívoco advindos de um pacote de normas que acaba funcionando como armadilha. E não sejamos ingênuos ou condescendentes pois o que mais se vê é a falácia escancarada do amor maior pelo templo, pela instituição, pelos dirigentes e pelo apego denominacional onde esses pequenos deuses sustentam uma crença coletiva representando a velha encenação que finda por nos afastar do real ministério.


Portanto, é urgente que nos aproximemos verdadeiramente do outro, DESPINDO-NOS das pesadas vestes farisaicas que nos empurram para uma adoração estranha que impede de enxergar e socorrer uma alma carente de esperança, conforto e paz.

Finalizando, é bom observar e refletir no quanto Jesus é contundente ao colocar uma enoooorme ponte entre evangelização e proselitismo.

Afinal, convenhamos, qualquer criança de dez anos sabe que o singelo e bem intencionado convite para frequentar a comunidade limpa e desinfetada (?!) não significa evangelizar, que Jesus não nos conclama a chamar pessoas para nossa denominação e que levantar bandeira da igreja não significa necessariamente levar pessoas à Cruz de Cristo.

E, como disse Jesus: O proselitismo faz com que se multipliquem os filhos do inferno, a evangelização colhe os frutos da misericórdia e do socorro de Deus.

Assim, fica a reflexão para essa terça de carnaval onde as máscaras estão indo (?) para o fundo do baú até o próximo ano:

- Quando você convida alguém para ir à sua igreja, está cuidando da reputação da sua denominação ou da alma da pessoa?

- Quem está sendo exaltado?

- O homem/instituição em vez de MEIO vai continuar travestido de FIM?



“Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres,
vestiduras brancas para te vestires,
a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez,
e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas”
(Ap 3.18)

17 comentários:

Marcio Alves disse...

Minha amiga REGINA FARIAS

Muito significativa essa sua longuíssima postagem reflexiva sobra à hipocrisia de não ser e parecer ser o que de fato não se é, mas esconde o ser para não parecer, para se mostrar o que gostaria de parecer ser, mas no fundo não se é.

Alias, acredito que o forte desejo de ser reconhecido pelos outros, mesmo que tenha que parecer ser o que não se é, encontra sua gênese no não aceitamento de quem de fato se é.

O caminho para não hipocrisia é o caminho da aceitação de si próprio quem se é.

Abraços

Ricardo Alexandre disse...

Oi Regina,

Puxa, conheço muitos assim.

Edson Moura disse...

Regininha minha flor, estás escrevendo que é uma maravilha. Cada texto teu é um documentário parase consultar de vez em quando.rsss

Pior que querer ser alguém que não se é, é querer que as pessoas ao redor aceitem essa "nossa" faceta dissimulada..ou falsamente rotulada.

Devemos ser oque somos e não temermos que outros às vezes se decepcionem com nosso lado franco.

Vale a frase de "não sei quem": "Quão interessantes são as pessoas que não conhecemos verdadeiramente".

Beijos linda!

Regina Farias disse...

Márcio

Desculpaí pelo excesso rss

Mas também bendito seja esse espaço para comentar, pois
você sim, tem o dom de resumir em uma pequena frase tudo isso aí que escrevi. Pois é aceitando-se como se é que se dribla esse mal terrível.

Sabe... Desde que me entendo por gente que dizem de mim:"você é muito transparente", ora em tom de repreensão, ora de admiração, sendo amada ou antipatizada por isso. No primeiro dia de terapia (aos 30 rss) advinha o que ouvi affff

E é claro que se paga um preço pela exposição mas surpreender o outro mostrando a própria cara lavada é o melhor tratamento de choque para desmascarar a si mesmo e a outrem.

Hoje, mais calma grrrrr continuo com minhas posturas firmes, sem concordar com subterfúgios mas não a ferro e fogo.

Tenho aprendido a não bater de frente cada vez que bato de frente rss

Um dia eu chego lá :)



Oi, Ricardo, seja bem vindo!

Curto e contundente! :)
Eu também conheço e muuuuito me incomodo. E muuuuito mais quando é no âmbito religioso.

Mas também sei que em dado momento da vida todos nós uma hora colocamos essas máscaras específicas, porém o doentio é não admitir e querer livrar-se delas, sabendo que tem Alguém que sonda os corações...



Oi, Edson

Ao mostrar a cara limpa pagamos um preço alto pois saímos de cima do muro pseudo-protetor derrubando-o e nos colocamos "de igual para igual". Aí que tá o ponto nefrálgico da questão já que o bicho ômi "se veste" diferente para equivocadamente ser mais amado, mais notado, mais admirado. Ledo engano...

Ah e esse "não sei quem" é ótimo rss
Sou igual a você, não curto esse lance de sair citando frases de Fulano de Tal dos Anzóis Pereira, ovacionando mais o fulano do que o sentido real urgente e necessário da frase.

Gostou do "ovacionando"? he he he

Abs...

R.

Marcos disse...

Bravo!!! Texto excelente!!! Não tem nem o que comentar: o que está escrito diz tudo!

Abaixo essa hipocrisia farisaica!

João Carlos disse...

Regina mulherrrrrrrr de Deus!

Comeste um Aurélio (risos)? Vai escrever bunito assim lá na Academia Brasileira de Letras, em breve!!!!

Brincadeiras à parte (só brincamos com quem gostamos e nos sentimos à vontade, certo?).

Amada, bom não ser um Quixote lutando sozinho contra os moinhos de vento, estes gigantes-fariseus imaginários. Vejo que não sou só eu que vê toda esta hipocrisía.

Este gigante realmente existe e tem que ser combatido! Ofereço minha cara nua, pronta para levar todos os tapa que forem necessários, desde que minha exposição possa servir de instrumento de benção nas mãos de Deus.

Estamos juntos companheira, a luta continua, viva la revolucion!!!!

Regina Farias disse...

Edson, uma correção (pra variar rss)

Onde se lê nefrálgico, leia-se nevrálgico affff

bj

R.

Regina Farias disse...

Marcos

Valeu!

Faz uns seis anos que eu queria postar algo assim mas aí não gosto do que leio, então corrijo, reescrevo, apago geral rss enfim, fico lapidando as palavras de alerta para não parecer recadinho de comadre :)


João, rapaz!

Deixa de onda que a ABL é pra gente do naipe de Paulo Coelho he he he.(Momento ácido :P)

E quer saber? Sem falsa modéstia, você não é a primeira pessoa que enche a minha bola dizendo isso rss

E confesso que se eu fosse mais disciplinada teria "uma cadeira" pelo menos na APL. Relaxadinha como só euzinha sei ser, admira-me ainda ser sócia da UBE-PE apenas com uma modesta obra editada.

Enfim!

Vai ver que é porque embora hiper super mega apaixonada pelas letras eu não tenha lá essas ambições...

Daí ficar com a cadeira aqui do meu computador messss

Abs...

R.

Marcio Alves disse...

Regininha (como diz o Edson. Rsrsrsrs)


Na verdade eu não possuía este “dom” de em curtas frases ou parágrafos, conseguir sintetizar um pensamento – até porque, eu falo demais, por conseqüência escrevo também demais. Hahahahaha


Mas de tanto o Edson encher o meu saco (rsrsrsr) acabei cedendo e aprendendo a escrever menos, para cansar menos – espero agora, que o Edson não venha encher novamente o meu saco, para que escreva maior os meus pensamentos. Hahahahaha


Mas é isto ai, abaixo a hipocrisia, viva a vida sem mascaras e sem medo, pois afinal de contas, a vida se vive apenas uma vez em pouco tempo, não podemos desperdiçar a vida, vivendo uma vida que não seja a nossa vida!!!


Que venhamos torna-nos nós mesmos quem somos!!!!!

Edson Moura disse...

Regininha você me surpreende cada vez mais!rsss
Quando noto que existe um errinho...de "digitação", logo em seguida você vem corrigindo!

Marcio...seus comentários estão ficando cada vez melhores...agora que parou de encher "linguiça"Kkkkkkkk


Mas Também não gosto de dar muita "asa" para essas frases de efeito dos grandes escritores "não sei quem"...basta ela caber no texto que eu lá a ponho.

Regininha...temos uma nova "membra" na blogosfera! Já fiz até um poema de boas vindas pra ela..assim como fiz pra você e Paulinha.

Ela está ansiosa para conhecê-las...quando tiver um tempinho, dá uma passada lá no blog dela.

Chama-se: "Pra quem ama" e está na lateral do meu blog..."produtos do amor"

Beijão Flor!

Cristo, consolo para o cansado disse...

Oi Regina,
maravilhoso seu texto!
Mas não fiquei feliz com ele, fiquei "aguniada"!
Estive meditando sobre isto neste final de semana...

É tão fácil identificar os hipócritas a nossa volta, mas tão difícil retirar ele de dentro de nós!

Que Deus te abençoe ricamente!
No amor do Eterno...

Regina Farias disse...

Márcio rapaz...

Fui lá, amei o texto, gastei um neurônio pra ler e outro pra comentar daí deu tilti e o comment num foi rss

Num dá pra mim não, é filosófico demais :)

Amanhã eu vou me esforçar e ver se tento de novo rss



Edson

Não tem jeito, a gente repassa o texto umas cem vezes e ainda tem coisa que passa batida. Ainda bem que é erro de digitação he he he

Ah e amanhã cedim eu vou lá conferir o espaço e a nova "membra" da confraria mista rss porque jajá eu vou é recolher meu bloco rss


Olá, Sara

Que prazer, vamos chegando, puxe a cadeira :)

Mas olha... a idéia é essa: ficar "aguniada" já é um passo grande. O perigo é a passividade. Eu espero ficar sempre aguuuuniada com isso.

E só mesmo o amor e a misericórdia de um PAI maravilhoso para nos acender a luzinha vermelha.

Beijos,

R.

Marcio Alves disse...

Regininha

Você cometeu o mesmo erro que sempre o teimoso do Edson comete...........o de comentar direto no blog!
Eu já falei pra ele, mas não adianta, quem sabe pra você vai adiantar, né?!

Quando for fazer o seu comentário, antes, copie e cole no World, ou no bloco de notas, pois já vi inúmeras vezes isto acontecer comigo, quando vai clicar em postar o comentário, da tilti, mas com esta minha técnica, não há mais problemas..............

Espero ter ajudado............e com certeza eu vou esperar pelo seu comentário, pois pela qualidade de suas postagens e por seus comentários, dá para perceber que será um ótimo argumento, ainda mais que a Paulinha do nada “resolveu” desaparecer, sem mais e sem menos, ai você representa as mulheres na confraria, OK??

Abraços

Regina Farias disse...

Edson

Eu não escrevo no word nem os textos, daí os erros "de digitação" rss imagine se vou escrever os comentários lá. Sou meio agitada (aproveitando intervalos, saca?) indo já direto ao ponto. :)

Mas não vou desprezar sua dica. Valeu muito pra eu aprender a fazer as coisas com mais calma rss

E meus comentários lá são só de metida messs afinal não dá pra acompanhar tanto filósofo junto!

Qto à Paulinha, ela não sumiu do nada, não, você que se distraiu e não leu. Ela falou sim, que só voltaria depois do carnaval. Mas que a danandinha tá fazendo falta, isso tá. Bora ver se ela dá o ar da graça hoje, né?

bj

R.

Regina Farias disse...

Uma ressalva:

Textos longos como este acima, eu tiro da gaveta e até saio lapidando "no word" mas aí não tem jeito pois mesmo assim quando transfiro pra cá fico acrescentando e extraindo...
Aí dá no que dá rss

Abs...

R.

Regina Farias disse...

Eita, Márcio, foi vc rss!

Valeu pela dica!

Simone disse...

OLA REGINA;
Sou nova por aqui no blogosfera
Nosso amigo EDSON me encontrou
Meia que perdida por ai rsrsrs

Ai acabou me convidando
A paticipar dessa união 'CPFG'
Ao qual aceitei participar
Com carinho...

O EDSON andou comentando
Muito sobre vocês
Resolvi vim fazer-lhe uma visita

Essa postagem sua,ficou muito boa
Realmente e infelizmente
No mundo o que mais nos deparamos
É com pessoas mascaradas
Que camuflam a toda hora
E sempre que tem chance
Seu verdadeiro interior

Muito boa sua postagem
BJS REGINA.