"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

terça-feira, 3 de maio de 2011

Osama bin Laden e os crentes





Hoje pela manhã vi a notícia da suposta morte de Osama bin Laden (suposta, porque por enquanto, a história está bem mal contada, não é?). E vi também a comemoração histérica por conta disso, nos Estados Unidos. E o presidente Barack Obama, afirmando que tinha se feito “justiça”.

Para mim, a reação dos norte-americanos diante da morte de Osama bin Laden, mostra bem o tipo de “cristianismo” e de “Jesus” no qual eles dizem acreditar. Condiz com o Jesus das imagens que ilustram essa postagem, um Jesus frequentador de McDonalds, armado até os dentes, violento e vingativo, que comemora a morte de quem considera serem seus inimigos. Um Jesus que não tem nada a ver com o Jesus do novo testamento, que era manso e humilde de coração, e que perdoou os soldados que o pregaram na cruz. O “american Jesus” jamais morreria numa cruz, pois teria ogivas nucleares para lançar contra seus inimigos. 

É lamentável assistir pessoas comemorando isso, como se a violência fosse capaz de algum dia, gerar paz. O povo norte-americano não demonstra estar sendo educado para a paz e para a não violência (como se esperaria de uma nação que se diz cristã), e sim, para sempre estar em guerra contra alguém, mesmo que seja um inimigo imaginário (ou criado pelas próprias políticas dos governantes norte-americanos – que cria os monstros e depois não consegue mais controlá-los – caso do Bin Laden). Como já disse Ghandi, olho por olho, e o mundo vai ficando cada vez mais cego. E se você é cristão, não me venha falar da lei de talião (a famosa olho por olho, dente por dente), porque quem é cristão, deve pautar seu comportamento no que Jesus ensinou, que foi a orar por quem nos persegue e amar os inimigosJesus nunca ensinou ninguém a matar, buscar vingança, desejar a morte ou comemorar a morte de inimigos.

E outra coisa: francamente, se todos aqueles que causam a morte de homens, mulheres e crianças inocentes devem ser punidos com a morte, a lista de pessoas que deviam morrer por serem culpadas desse tipo de coisa, é bem grande.Terrorismo é apenas UMA forma de causar morte de inocentes, existem várias outras. A exclusão social, o consumismo desenfreado, o preconceito racial, o egoísmo, as políticas que favorecem uns em detrimento de outros, também causam a morte de pessoas inocentes, que não têm acesso às necessidades básicas para se manterem vivas, ou são exploradas feito escravas. Se for para começar a matar todos os “culpados” pela morte de homens, mulheres e crianças inocentes, vai sobrar bem pouca gente viva por aqui, portanto, deixem de ser hipócritas. 

Ser culpado da morte de pessoas inocentes não se dá apenas por atirar nelas ou explodir bombas em atentados, e sim, com todas as atitudes de descaso e falta de compaixão perante o sofrimento alheio. Os japoneses que foram vítimas das duas bombas atômicas, eram pessoas inocentes também, não eram? Quem decide quem é culpado ou inocente? Quem define o que é “justiça” ou “injustiça”? Quem tem mais poder, dinheiro, melhores armas ou exércitos mais poderosos? E chamam isso de “justiça”? Pelo amor de Deus. A justiça de acordo com o entendimento dEle, é algo bem mais amplo e profundo do que essa “justiça” baseada no direito de quem pode mais.

Chamar isso de “fazer justiça”, num mundo onde 20 milhões de crianças morrem de fome por ano, faz sentido? Matar pessoas em atentados terroristas, é pior do que matá-las lentamente, de inanição? Será mesmo que somos tão melhores assim do que um terrorista, só porque não vemos as vítimas do nosso descaso e omissão morrerem? Fazemos de conta que elas não existem, e dormimos tranquilamente, enquanto condenamos outros à morte, e nos achamos superiores a eles.

Um “cristianismo” medíocre como o norte-americano, misturado com ideologia política, só podia gerar esse tipo de gente, que acha que assassinar os inimigos é fazer “justiça”, e deitam suas cabeças nos travesseiros, e dormem como se fossem santos, como se as atitudes arbitrárias do governo dos Estados Unidos mundo afora, não causassem a morte de nenhum inocente. Um bando de hipócritas do mais alto grau. E vale lembrar também, que Osama bin Laden, antes, era aliado dos EUA, ajudava e era ajudado pela CIA, na luta contra o inimigo da vez, a ex-União Soviética. Não se iludam, a morte do Bin Laden não muda coisa alguma, porque o ódio continua firme e forte nos corações das pessoas.

E o pior é que esse “Jesus” americanizado foi importado para o Brasil. Aposto como deve ter crente brasileiro festejando também.
Lamentável.


Copiei DAQUI e assino embaixo! (Negritos e grifos meus-RF)

6 comentários:

Adriana disse...

Tem mesmo, bispa.
Pode ser os mesmos que considreram o s negros filhos de caim kkkkk
exegese que está mais para exejegue, Senhor nos dai paciência.

Os amiguinhos estadunidenses vivem o pos cristianismos e seu icone é o Bush, aquele figura que fez tudo o que fez porque deus mandou, precisa dizer mais?

Cláudio Nunes Horácio disse...

Também assino mana, excelente post. Ou somo da Paz e de todo o bem de Jesus, ou não somos dEle, simples assim. Beijo.

Andrea disse...

Obrigada por divulgar meu texto! E também pela visita ao meu blog. Também vim visitar o seu.. :]

Wendel Bernardes disse...

Oi Regina,
Os 'imperialistas' americanos são mesmo um povo caído nas ruínas da sociedade pseudo cristã.

Concordo plenamente com a proposta do texto, a imagem de Jesus, que é distorcida pelo capitalismo e pelas guerras santas (que não deixam de ser guerras de 'cristãos' contra 'árabes'), só pode mesmo sufocar o restinho de Jesus que existe lá!

(Mas também, tem até pastor fundamentalista que queima o Alcorão por lá... aqui no Brasil a moda vai pegar, com ceerteza, pois a nossa 'tradição' é copiar as coisas dos outros povos!)

Mas confesso que se meus familiares fossem mortos num atentado contra um centro comercial, ou mortos numa invasão furtiva numa retaliação à moda USE, também festejaria com a morte do mandante... fazer o quê? Sou assim!

Ótimo texto, parabéms à escritora, refletir é sempre bom!

João Carlos disse...

É bispa, esta morte do Bin Laden está muito mal contada. Como ouvi de alguém um dia desses, parece a morte do Ulisses Guimarães: caiu o helicóptero no mar, ninguém achou mas dizem que ele morreu.

Sou muito voltado para teorias da conspiração: Quem me garante que não rolou algum tipo de "acordão" entre as partes? Sei lá, tudo é possível...

Um texto muito bom que li a respeito sobre o assunto se encontra no UOL. Segue o link:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/911306-o-fim-de-bin-laden.shtml

Wendel Bernardes disse...

Hãããã... quis dizer USA e não USE... Bispa, vem pegar seu teclado logo, ok?